Criação de vagas de emprego nos EUA salta e desemprego cai para 3,6% – Exame

Aumento na criação de vagas de emprego aponta para um crescimento econômico sólido no país

Por Reuters

access_time 3 maio 2019, 10h14 – Publicado em 3 maio 2019, 09h52

Washington — A criação de vagas de emprego nos Estados Unidos saltou em abril e a taxa de desemprego caiu para uma mínima de mais de 49 anos, a 3,6 por cento, apontando para um crescimento econômico sólido no país.

O relatório mensal do Departamento de Trabalho divulgado nesta sexta-feira, no entanto, mostrou ganhos salariais contínuos no mês passado, consistente com a inflação moderada. O declínio na taxa de desemprego foi decorrente do número de pessoas que deixaram a força de trabalho, sugerindo alguma ociosidade no mercado.

O relatório deu apoio à decisão do Federal Reserve de manter a taxa de juros e sinalizar pouco desejo de ajustar a política monetária em breve. O chairman do Fed, Jerome Powell, descreveu a economia e o crescimento do emprego como “um pouco mais fortes do que prevíamos” e a inflação como “um pouco mais fraca”.

Foram criadas 263 mil vagas de emprego fora do setor agrícola a no mês passado, em meio a ganhos no número de contratações em quase todos os setores. Os dados de fevereiro e março foram revisados para mostrar 16 mil postos a mais do que o reportado anteriormente.

Economistas consultados pela Reuters projetavam criação de 185 mil vagas fora do setor agrícola no mês passado.

O crescimento do emprego está bem acima dos cerca de 100 mil necessários por mês para acompanhar o crescimento da população em idade ativa.

O segundo mês de forte crescimento no número de vagas emprego é mais uma prova de que o fraco aumento de 56 mil vagas em fevereiro foi uma anormalidade. Os dados também aliviam efetivamente as preocupações sobre uma recessão e diminuem as expectativas de um corte na taxa de juros neste ano, que haviam sido provocadas por uma breve inversão da curva de rendimentos dos Treasuries em março.

O crescimento do emprego continua forte, apesar dos sinais de escassez de trabalhadores nos setores de transporte, manufatura e construção, sugerindo que ainda há alguma folga no mercado de trabalho.

O aumento constante dos salários tem mantido os trabalhadores na força de trabalho e atraído de volta aqueles que haviam saído. Os ganhos médios por hora aumentaram seis centavos, ou 0,2 por cento em abril, após subirem pela mesma margem em março. Isso manteve o aumento anual dos salários em 3,2 por cento.

Embora o crescimento salarial não seja forte o suficiente para elevar a inflação, ele é visto como suficiente para sustentar o crescimento econômico à medida que o estímulo do corte de 1,5 trilhão de dólares em impostos no ano passado diminui. A economia cresceu a uma taxa anualizada de 3,2 por cento no primeiro trimestre, impulsionada por um aumento nas exportações e estoques e acelerando a partir do ritmo de 2,2 por cento do período entre outubro e dezembro.

O declínio na taxa de desemprego de 3,8 por cento em março ocorreu pela saída de 490 mil pessoas da força de trabalho em abril. A taxa de desemprego está agora abaixo dos 3,7 por cento que as autoridades do Fed projetam que ficará até o final do ano.

Alguns economistas esperam que o crescimento dos empregos desacelere este ano, à medida que menos trabalhadores se tornarem disponíveis, o que elevará os salários e impulsionará a inflação de volta à meta de 2 por cento do Fed.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!