Mansueto diz querer sensibilizar Congresso para aprovação de crédito de R$ 248 bi – Isto É

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, ressaltou que a equipe econômica está tentando sensibilizar o Congresso, por meio de um diálogo “aberto e transparente”, para a aprovação do projeto que abre um crédito de R$ 248,9 bilhões para liberar despesas com benefícios previdenciários, assistenciais e Bolsa Família. Ele destacou que a situação é “muito preocupante”, uma vez que, sem o crédito, o governo não conseguirá executar esses gastos e poderá descumprir a chamada “regra de ouro” do Orçamento, que impede a emissão de dívida para pagar despesas correntes.

“Hoje, a nossa deficiência, o que a gente precisaria de autorização especial do Congresso, é um pouco menos, talvez entre R$ 120 bilhões e R$ 140 bilhões. Mas os R$ 248 bilhões, ou algo menor, isso tem que ser aprovado até o final de junho”, destacou, em entrevista ao programa Canal Livre, da Band, transmitida nesta segunda-feira, 6.

Na entrevista, o secretário reiterou ainda que a principal medida para recuperar a saúde financeira da União, Estados e municípios é a reforma da Previdência. Ele se mostrou otimista, dizendo nunca ter visto um ambiente tão favorável à aprovação de uma reforma previdenciária no Congresso, mas frisou que o tamanho do impacto fiscal das mudanças nas regras de aposentadoria dependerá da capacidade política do governo.

Mansueto também avaliou que o governo tem pela frente um ajuste fiscal “duro” e “muito difícil”, mesmo que consiga realizar as privatizações e concessões em estudo para este e o próximo ano. “Mesmo que o Brasil cumpra a emenda do teto dos gastos (…), se não tivermos algum ganho de arrecadação, corremos o risco de terminar o governo Bolsonaro ainda com déficit primário”, afirmou.

Sobre o Programa de Equilíbrio Fiscal (PEF), mais conhecido como “Plano Mansueto”, o secretário lembrou que o foco está nos Estados com nota C no ranking do Tesouro que mede o nível de bons pagadores – ou seja, aqueles que não podem receber garantia do Tesouro em empréstimos bancários e de organismos multilaterais. Sobre os Estados com nota D (a pior) – Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais -, Mansueto comentou que a situação de Minas é ainda mais grave do que a do Rio.

Contato: leticia.fucuchima@estadao.com

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!