Dinheiro ganho com Minerworld é bloqueado em contas na Caixa Econômica e no Santander – Portal do Bitcoin

A Justiça Federal do Mato Grosso do Sul negou o pedido liminar de liberação de dinheiro bloqueado na Caixa Econômica Federal e no Santander de uma pessoa que afirmou ter obtido renda a partir de investimentos na Minerworld.

A decisão foi publicada no dia 29 de abril no Diário Oficial do Mato Grosso do Sul.

Os bloqueios foram feitos num outro processo penal. De acordo com a sentença do juiz da 3ª Vara Federal Penal do Mato Grosso do Sul, consta que foram bloqueados R$ 32.677,58 em conta poupança no banco Caixa Econômica Federal e R$ 564,35, em conta no banco Santander.

O titular das contas, então, entrou com uma liminar para que os valores fossem restituídos. Ele argumentou que o dinheiro penhorado foi adquirido de forma lícita, “através de rendimentos oriundos de operações de criptomoedas” e que esse pertencia não somente a ele, mas a um amigo também.

Foi juntado nesse processo um contrato envolvendo um terceiro, o qual não era titular da conta e a suposta empresa de mineração de Bitcoins. Esse terceiro, conforme é narrado nos autos, “auferia renda através de rendimentos extraídos da empresa Minerworld, que gerenciava as criptomoedas, e de taxas cobradas sobre importações de produtos do Brasil para a Bolívia”.

O titular da conta afirmou que “recebia valores dos pais de seus amigos, que o pagavam para que efetuar a compra de itens de higiene e alimentação e transportar até a Bolívia”.

A questão é que esse amigo não possuía uma conta própria e todo o dinheiro ganho com a mineração era depositado nessas contas bloqueadas.

Ganho duvidoso na Minerworld

O Ministério Público Federal ao analisar o caso não soube determinar de quem era de fato o dinheiro bloqueado. De acordo com a manifestação do MPF, o titular da conta se limitava apenas a declarar que os valores encontrados pertenciam a terceiro e não apresentava provas dessa alegação.

“A origem dos numerários é duvidosa, porquanto é notório que a empresa alegada como fonte dos rendimentos há tempos não paga seus ‘credenciados’, além do lucro anormal obtido em curto espaço de tempo”.

A promotoria afirmou que o bloqueio judicial foi feito em razão da suspeita de tratarem-se os valores de objeto de crime.

Com isso, o juiz decidiu não conceder a antecipação de tutela para liberar o dinheiro penhorado e manteve “o bloqueio do valor de R$ 33.242,18 (trinta e três mil duzentos e quarenta e dois reais e dezoito centavos) depositado na Caixa Econômica Federal e no Banco Santander”.

Esquema de pirâmide

O esquema criminoso da da Minerworld começou em 2016, quando a anunciava investimentos com retornos de até 100% em curto prazo. O marketing atraiu investidores, em pelo menos, nove estados do país: Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraíba, Goiás, Sergipe, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco e Rio Grande do Sul.

Até outubro de 2017, os investidores recebiam regularmente os rendimentos de aplicações feitas na Minerworld. No entanto, a partir dessa data, a empresa começou a atrasar os pagamentos.

Em 17 de abril de 2018, o Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou a operação “Lucro Fácil”, apreendendo computadores, celulares e demais objetos que pudessem produzir provas sobre a atuação dos envolvidos nas sedes das empresas em Campo Grande (MS) e em São Paulo.

Atualmente, as empresas e 16 réus são processados nas varas civil, pelo MP-MS, e criminal, pela Justiça Federal.


3xBit

Inovação e segurança. Troque suas criptomoedas na corretora que mais inova do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://3xbit.com.br

O post Dinheiro ganho com Minerworld é bloqueado em contas na Caixa Econômica e no Santander apareceu primeiro em Portal do Bitcoin.

Fonte Oficial: Portal do Bitcoin.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!