Trump barra pedidos ‘ilegais’ do Congresso para acessar informe sobre trama russa – Isto É

O presidente dos EUA, Donald Trump, recusou nesta quarta-feira (8) a entrega ao Congresso da versão completa do relatório sobre a conspiração russa, invocando pela primeira vez o “privilégio executivo” que lhe permite reter informações, aumentando assim as tensões com seus opositores democratas.

A Casa Branca procura manter em sigilo grande parte da investigação do procurador especial Robert Mueller sobre a interferência da Rússia nas eleições de 2016, que foi exigido pelos congressistas, que dizem querer exercer sua responsabilidade de supervisão.

O anúncio da decisão da Casa Branca de apelar à autoridade presidencial para reservar a divulgação de informações ocorreu justamente no início de uma audiência na Câmara dos Deputados para iniciar o processo de desacato contra o procurador geral dos Estados Unidos, William Barr, por se recusar a entregar o relatório completo e as evidências que o acompanham.

“Os americanos veem claramente que as manobras desesperadas do presidente (do Comitê Judiciário da Câmara dos Deputados, o democrata) Jerry Nalder, apontam para desviar das realizações bem-sucedidas do presidente”, disse a porta-voz de Trump, Sarah Sanders.

“Nem a Casa Branca nem o procurador geral Barr cumprirão com as demandas ilegais e imprudentes de Nadler”, acrescentou.

O assistente do procurador geral Stephen Boyd escreveu aos legisladores que Trump havia “declarado o privilégio executivo sobre todos os materiais requeridos”.

A tentativa de Nadler de submeter Barr a um julgamento de desacato havia “terminado” com as negociações em andamento sobre documentos que o Congresso poderia ver da investigação de Mueller, apontou.

– “ENGANO TRAIÇOEIRO!” –

Nadler imediatamente denunciou a iniciativa “sem precedentes” da Casa Branca e pediu a todos os legisladores que reajam em nome das “instituições”.

“Ninguém, nem o procurador-geral, nem o presidente, pode estar acima da lei”, disse ele, sugerindo que o governo Trump desafia “os deveres constitucionais do Congresso”.

Os democratas apresentaram o embate com a Casa Branca como uma crise constitucional, e alguns pedem um processo de impeachment contra Trump, enquanto o governo acusa os democratas de tentar derrubar o presidente.

Trump “tenta demolir a Constituição dos Estados Unidos”, disse a parlamentar democrata Sheila Jackson Lee, membro do Comitê Judiciário, classificando o comportamento da Casa Branca como “absolutamente ilegal”.

Trump fez críticas no Twitter, questionando a investigação de dois anos de Mueller, cujo relatório, segundo o presidente, exonerou-o de qualquer crime.

“ENGANO TRAIÇOEIRO!”, tuitou Trump, recorrendo a uma de suas expressões favoritas para dizer que a investigação foi injustificada e iniciada como um golpe político por parte de seus opositores.

– “Evidência perturbadora” –

A presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, a principal líder democrata no Congresso, expressou seu apoio ao movimento de desacato contra Barr, com o objetivo de responsabilizar Trump e seu círculo interno.

“Acho que o procurador-geral deveria ser considerado em desacato”, disse Pelosi em uma conferência em Washington.

Barr, que assumiu o cargo de procurador-geral em meados de fevereiro, ignorou uma intimação do Comitê Judiciário da Câmara para entregar uma cópia completa do relatório Mueller e todas as provas, e na semana passada recusou-se a depor perante o painel.

O comitê submeteu a debate o relatório de 27 páginas, no qual Nadler escreveu que o que se sabe sobre o relatório de Mueller: “oferece evidências perturbadoras de que o presidente Trump se envolveu em uma obstrução à justiça nos níveis mais altos”.

Barr disse que Trump estava livre de conspiração com a Rússia e obstrução de justiça logo depois que Mueller submeteu seu relatório de 448 páginas ao Departamento de Justiça em março.

Os democratas protestaram, alegando que Barr tentou proteger o presidente recusando-se a apresentar o relatório completo e suas evidências ao Congresso.

O embate político se desenvolveu em múltiplas frentes.

A Casa Branca rejeitou formalmente esta semana um pedido dos democratas para entregar as declarações fiscais de Trump, estabelecendo as bases para o que provavelmente será uma batalha judicial prolongada.

E na terça-feira, o governo ordenou que o controlador da Casa Branca, Don McGahn, uma figura-chave no relatório de Mueller, retivesse os documentos solicitados pelo comitê judicial do Congresso.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!