Entidades empresariais apoiam manutenção da taxa Selic em 6,5%

Entidades empresariais de São Paulo e do Rio de Janeiro manifestaram apoio à decisão do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) em manter a taxa básica de juros (Selic) em 6,5%.  Pela nona vez consecutiva, os juros básicos da economia não foram alterados. A decisão de hoje (8) foi tomada por unanimidade e era esperada por analistas financeiros.

Para a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), “prevaleceu a postura equilibrada entre a atividade econômica ainda fraca e o ambiente político conturbado”. A entidade avaliou que “não havia espaço para queda da Selic diante da tendência de alta da inflação, de articulações políticas estagnadas em Brasília e do cenário internacional vulnerável”.

Em nota, a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) avaliou a decisão como acertada “diante de um cenário de inflação corrente e expectativas alinhadas dentro da meta determinada e da incerteza quanto a aprovação da reforma da Previdência”. A entidade defende, no entanto, que uma redução da taxa será necessária nas próximas reuniões caso se mantenha a conjuntura de fraco desempenho econômico e inflação “bem-comportada”, como observado no primeiro trimestre.

Para a Firjan, o desequilíbrio fiscal é a única variável que impede o crescimento sustentado. “Nesse sentido, a aprovação da reforma da Previdência é fundamental. Sem isso vamos seguir a conjuntura de baixo crescimento, correndo o risco de voltarmos a ter inflação e juros altos”.

Redução

O presidente em exercício da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Paulo Afonso Ferreira, por sua vez, avaliou que a alta do dólar, as incertezas em torno da reforma da Previdência e a inflação ultrapassando o centro da meta de 4,25% fixada para este ano foram decisivas para a manutenção dos juros.

Para Ferreira, os sinais de desaquecimento da atividade econômica e o desemprego elevado indicam a necessidade de redução da taxa Selic. “A queda dos juros é indispensável para estimular o crescimento da economia brasileira e a criação de empregos”, disse Ferreira em nota.

*Colaborou Douglas Corrêa, do Rio de Janeiro

Edição: Fábio Massalli

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!