Açúcar: Indicador do Cristal Acumulou Alta de 1,48% em Abril – Investing.com

O Indicador do Açúcar Cristal CEPEA/ESALQ (estado de São Paulo) acumulou alta de 1,48% em abril, fechando a R$ 69,86/saca de 50 kg no dia 30. A média mensal foi de R$ 68,46/sc, 0,78% superior à de março (R$ 67,93/sc) e 24,72% acima da de abril/18 (R$ 54,89/sc), em termos nominais.

O clima de início de safra fez com que os preços do cristal voltassem a cair no mercado spot na primeira semana de abril, que foi a primeira semana oficial da safra 2019/20 do Centro-Sul. No entanto, na segunda quinzena, as usinas paulistas que haviam iniciado a moagem da cana da safra 2019/20 suspenderam a produção, devido às chuvas em lavouras do estado. Esse cenário sustentou os preços do cristal no spot, mesmo com a maior parte do produto comercializado ainda sendo da temporada anterior (2018/19). A maior parte da cana já moída foi direcionada à produção de etanol, e o açúcar desta nova safra ainda não influenciou os preços no spot. Já no final do mês, o menor volume de chuvas em regiões paulistas com lavouras de cana permitiu que usinas voltassem a normalizar a moagem. Apesar disso, não houve aumento na oferta de cristal no spot, visto que as usinas priorizaram a entrega de contratos e/ou a produção de etanol.

Segundo a Unica, na primeira quinzena da safra 2019/20 (1º a 15 de abril), as usinas de São Paulo produziram 189 mil toneladas de açúcar, volume 60,35% menor do que o produzido na mesma quinzena do ano passado. Das 6,534 milhões de toneladas de cana que foram processadas no estado, 28,32% foram direcionadas à produção de açúcar e 71,68%, à de etanol.

No Nordeste, o mercado spot de açúcar registrou preços estáveis em abril, com lento ritmo de negociações na primeira quinzena. A partir da segunda metade do mês, houve ligeiro aumento da demanda e dos valores negociados. Algumas usinas tinham estoques reduzidos e mantiveram firmes os valores pedidos pelo adoçante.

Segundo dados divulgados pela Conab em abril, a área nordestina plantada com cana-deaçúcar na safra 2018/19 foi 8,6% inferior à de 2017/18, mas a boa distribuição das chuvas aumentou a produtividade em 9% durante a temporada. Como resultado, a produção de cana-de açúcar atingiu 44,4 milhões de toneladas no Nordeste, acréscimo de 8% em comparação à temporada anterior. Já a produção de açúcar somou 2,47 milhões de toneladas, queda de 0,5% em relação à safra anterior.

Em abril, o indicador mensal do açúcar cristal CEPEA/ESALQ em Pernambuco teve média de R$ 73,26/sc de 50 kg, queda de 0,89% em comparação com a de março, mas alta de 19,1% frente à de abril/18, em termos nominais. Em Alagoas, o Indicador mensal foi de R$ 72,22/sc, elevações de 0,66% e de 15,70%, respectivamente, também em termos nominais.

Quanto ao mercado internacional, na primeira quinzena de abril, as cotações do demerara subiram, influenciadas pelo aumento no preço do . A partir da segunda quinzena, as cotações caíram, permanecendo abaixo dos US$ 13,00 por libra-peso nos mercados da ICE Futures (Bolsa de Nova York), mesmo com as perspectivas de menor produção de açúcar em países estratégicos e de redução dos estoques mundiais para o próximo ciclo. No final do mês, o valor do petróleo atingiu a casa dos US$ 75,00/barril, patamar que não era registrado desde outubro/18. No entanto, o acima dos R$ 3,90 estimula usinas brasileiras a exportar, aumentando a oferta do produto no mercado internacional. Além disso, a indicação de que a produção de açúcar tailandesa teria sido maior do que a esperada pesou sobre as cotações do açúcar em Nova York. Segundo a FC Stone, a produção de açúcar na Tailândia havia atingido 14,42 milhões de toneladas até 15 de abril/19, contra 13,84 milhões na safra 2017/18. A Índia, com suas 2,3 milhões de toneladas a serem fixadas, limita fortemente a recuperação dos preços, em um ambiente global de baixa demanda.

Cálculos do Cepea indicaram que as vendas internas do açúcar remuneraram, em média, 15,14% a mais do que as externas em abril. Esse cálculo considera o valor médio do Indicador CEPEA/ESALQ e do vencimento Maio/19 do Contrato nº 11 da Bolsa de Nova York (ICE Futures), prêmio de qualidade estimado em US$ 59,70/tonelada e custos com elevação e frete de US$52,15/tonelada.

Segundo a Secex, as exportações de açúcar bruto (VHP) totalizaram 1,08 milhão de toneladas em abril/19, volume 13% maior do que o de março/19 (955 mil toneladas) e 40% superior ao de abril/18 (767,4 mil toneladas). Em relação ao açúcar branco, foram exportadas 187,4 mil toneladas em abril/19, volume 14,4% superior ao de março/19 (163,8mil toneladas), mas 26,3% menor do que o de abril/18 (254,3 mil toneladas).

O preço médio do açúcar bruto exportado em abril/19 foi de R$1.120,0/t, 5,6% maior do que o de março/19 (R$ 1.060,9/t) e 2,5% superior ao de abril/18 (R$ 1.093,0/t), em termos nominais. Em relação ao açúcar branco, o preço médio foi de R$ 1.334,1/t, baixa de 6,4% em relação a março/19 (R$ 1.425,6/t), mas alta de 4% em comparação com abril/18 (R$ 1.282,9/t), em termos nominais. A receita com a exportação de açúcar no mês passado foi de R$ 1,46 bilhão, alta de 16,8% frente à de março/19 (R$ 1,25 bilhão) e de 25% em relação à de abril/18 (R$ 1,17 bilhão), em termos nominais.

Série Estatística

 Gráfico

Gráfico

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!