Na política ou na bravata? A estratégia do governo para a Previdência – Exame

Com proposta paralela do Congresso em gestação, governo deve mostrar nos próximos dias sua disposição de negociar o texto oficial

Por redação exame

access_time 20 maio 2019, 06h29 – Publicado em 20 maio 2019, 06h10

A semana vai mostrar qual a disposição do governo de ir além de bravatas e textões no Facebook na relação com o Congresso. Na sexta-feira, mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro repassou um texto em que reconhecia sua incapacidade de jogar o jogo democrático com o parlamento, foi revelado que a Câmara costura um novo projeto para a reforma da Previdência.

A contraproposta tem a anuência do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e foi motivada pelo desgaste entre o Congresso e o Executivo. O texto divulgado por Bolsonaro acentua ainda mais a cisão, com o Planalto afirmando que não vê como avançar sua agenda tendo que negociar com o Parlamento.

Nesta semana a proposta alternativa pode de fato sair do papel. Seria um recado da Câmara de que a agenda econômica pode avançar a despeito da inépcia presidencial. No fim de semana, reportagem de capa da revista VEJA mostrou o tsunami de notícias ruins que faz Bolsonaro chegar a seu quinto mês de governo em seu pior momento. A prévia do PIB mostrou uma retração de 0,68% na economia no primeiro trimestre. E o novo dado de projeção do PIB para 2019, tradicionalmente divulgado nas segundas-feiras pelo Banco Central, deve mostrar hoje novo rebaixamento — seria o décimo segundo seguido, para baixo dos atuais 1,45%.

Segundo o Estadão, os deputados da Comissão Especial que discute a Previdência calculam que se conseguirem atrair PSB e PDT o texto substitutivo já teria quórum para aprovação em plenário. Uma dúvida que pode ser respondida nos próximos dias é o conteúdo do novo texto. Deputados já haviam apresentado 15 emendas à reforma do ministro Paulo Guedes. Entre as demandas estão a inclusão de um regime específico para a aposentadoria dos policiais e para guardas municipais. Também há propostas de amolecer as regras de transição.

Enquanto isso, a equipe econômica, capitaneada por Guedes, se reúne hoje para tratar da Previdência do governo. Em encontro neste domingo, com a presença de Maia, o relator da proposta, Samuel Moreira (PSDB-SP), afirmou que a expectativa é que o relatório final seja apresentado em 15 dias.

Mesmo que não vá adiante, a proposta alternativa corre o risco de esvaziar o texto oficial, aumentando o poder de barganha da Câmara. Neste cenário, há grande expectativa para saber se o governo reagirá fazendo boa política, ou falando grosso nas redes sociais. Falta uma semana, não custa lembrar, para as manifestações a favor do governo, convocadas para o próximo domingo por aliados do presidente.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!