Ministério da Agricultura registra produtores de cachaça e aguardente

Bebida genuinamente nacional, a produção de aguardente e de cachaça no país está presente em mais de 800 municípios de 26 unidades da Federação, a exceção é Roraima. São 951 produtores de cachaça e 611 de aguardente registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que, somados, representam cerca de um quarto do total de produtores de todas as bebidas registradas e produzidas no país, que é de 6.362. Os dados, constam do estudo A Cachaça no Brasil – Dados de Registro de Cachaças e Aguardentes, lançado hoje (28) pelo ministério.

Esta é a primeira vez que o ministério realiza um estudo sobre a produção destes destilados. O levantamento mostra que existem 3.648 cachaças e 1.862 aguardentes de cana registradas no ministério. A Região Sudeste aparece com a maior produção de cachaça, seguida da Região Nordeste e depois a Sul.

Entre os estados, Minas Gerais se destaca como o grande produtor nacional . O estado concentra 421 produtores registrados no ministério, mais de três vezes o quantitativo do segundo lugar, que é São Paulo, como 126. Logo em seguida, vem o Espírito Santo com 74 produtores registrados, Rio de Janeiro com 50 e o Rio Grande do Sul com 49.

Na sequência, fechando os dez maiores produtores, vêm os estados da Paraíba e Pernambuco, com 34 produtores cada; Bahia com 30, Paraná com 26 e Santa Catarina com 24.

Minas Gerais também possui o município com o maior número de produtores registrados: Belo Horizonte com 19 estabelecimentos. O número é quase o dobro do segundo lugar, São Roque de Canaã, no Espírito Santo (10). Em terceiro lugar vem outro município mineiro, Salinas, com 9 produtores registrados.

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, durante lançamento do Anuário da Cachaça, no auditório da CNA, em Brasília. – Valter Campanato/Agência Brasil

Aguardente e cachaça

O estudo também faz uma distinção entre aguardente e cachaça. O ministério reconhece como cachaça, que é feita a partir do mosto (líquido) fermentado do caldo da cana-de-açúcar, com composição alcoólica que pode variar entre 38% e 48%. Enquanto a aguardente pode ser também um destilado alcoólico simples, mas com composição alcoólica entre 38% e 54%.

De acordo com a auditora fiscal do ministério, Andréia Gerk, a definição é necessária, pois o papel do ministério é o de normatizar e registrar os estabelecimentos e os produtos. “Se a gente for resumir, a gente pode dizer que toda cachaça é uma aguardente, mas nem toda aguardente pode ser classificada como cachaça”, disse.

O diretor executivo do Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac), Carlos Lima, disse que o anuário representa um importante passo para o crescimento e o aprimoramento do segmento no país, uma vez que, a base da construção de políticas públicas é a existência de números oficiais e atualizados.

“A cadeia produtiva da cachaça é hoje responsável por empregar mais de 600 mil brasileiros. Tendo em vista a produção distribuída em 26 unidades da federação e a quantidade de produtores registrados, esperamos obter um maior apoio do governo brasileiro para que o desenvolvimento da categoria se dê de maneira sustentável nos próximos anos, contribuindo ainda mais para a geração de emprego e renda no país”, disse.

Além de mostrar onde está localizada a produção dos produtos no país, o Anuário também tem por objetivo trazer parâmetros e características para a denominação das bebidas, protegendo consumidores de práticas abusivas, garantindo a segurança das bebidas e promovendo a regulação do mercado.

Formalizar setor

Para o presidente da Confederação Nacional da Pecuária e Agricultura (CNA), João Martins, um dos desdobramentos do estudo é apontar a necessidade de se formalizar o setor, fortemente marcado por pequenos produtores ainda sem registro no ministério. Martins acredita que essas medidas podem alavancar o consumo da cachaça brasileira que, segundo ele, é exportado para mais de 60 países, gerando receitas em torno de US$ 14 milhões anuais.

“A maioria dos produtores estão na informalidade e é formada de pequeno e microempresários. Para aumentar a competitividade do setor é preciso desenvolver políticas públicas e iniciativas por parte do setor privado, voltados para formalização dessa cadeia produtiva”, disse.
 

Edição: Fábio Massalli

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!