Brasil precisa reequilibrar contas e elevar produtividade para crescer

O país precisa superar o desequilíbrio fiscal e aumentar a produtividade para voltar a crescer, recomendou hoje (30) a Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia. Em nota, o órgão informou que a reforma da Previdência representa o primeiro desafio a ser superado, por estabilizar as contas públicas e reduzir as incertezas macroeconômicas, abrindo caminho para novos investimentos.

Segundo a secretaria, o governo está elaborando e implementando uma série de medidas para melhorar a produtividade. O texto destaca a reforma tributária, a abertura comercial, o aperfeiçoamento do mercado financeiro e de capitais, os programas de concessão e de privatização na área de infraestrutura, medidas para liberar o mercado de petróleo e gás, reduzindo o custo da energia, o combate à corrupção e aos desperdícios no setor público, e a eliminação de desonerações tributárias e de subsídios ineficientes

A maior parte dessas ações, no entanto, só poderá avançar após a aprovação da reforma da Previdência. A secretaria informou que o resultado do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos) do primeiro trimestre deve-se à combinação de políticas equivocadas no passado e a choques de curto prazo. Hoje, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que o PIB de janeiro a março caiu 0,2% em relação ao último quadrimestre do ano passado e subiu 0,5% em relação ao primeiro trimestre de 2018.

De acordo com a secretaria, a má alocação de recursos, promovida por políticas de estímulos a setores específicos em governos passados, resultou na deterioração das contas públicas, no aumento da incerteza econômica, na queda da produtividade e dos investimentos e no aumento do desemprego nesta década. Entre os choques de curto prazo que comprometeram a atividade no primeiro trimestre, o órgão citou o rompimento da barragem de Brumadinho (MG), as chuvas do início do ano que afetaram o agronegócio, a crise na Argentina que reduziu as exportações da indústria brasileira e as incertezas internacionais sobre o comércio externo.

 

Edição: Lílian Beraldo

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!