Queda na extração de minério após tragédia puxa PIB para baixo

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados hoje (30) mostram que os desdobramentos da tragédia de Brumadinho (MG) influenciaram o recuo de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro no primeiro trimestre de 2019, na comparação com o último trimestre de 2018.

Após o rompimento da barragem da Vale, na Mina do Feijão, um pente fino nas mineradoras tem levado à paralisação das operações em diversas estruturas.

O levantamento revela revela uma produção 6,3% menor do que a registrada no último trimestre de 2018 pela indústria extrativa, que é responsável pela retirada de matéria-prima da natureza para ser utilizada em outras indústrias. Na relação com o primeiro trimestre de 2018, a queda do setor foi de 3%.

O IBGE aponta que o desempenho foi impactado principalmente pela queda na extração de minérios ferrosos.

“A maior redução da indústria extrativa é a maior registrada desde o quarto trimestre de 2008, quando também houve recuo de 6,3%. A situação tem relação com a tragédia de Brumadinho e com a consequente paralisação de outras barragens”, disse a gerente de contas nacionais do IBGE, Claudia Dionísio. A extração de petróleo e gás também teve desempenho negativo, embora menos expressivo do que a extração de minérios ferrosos.

Desde o rompimento da barragem em Brumadinho, a Vale já teve mais de 30 barragens interditadas em todo o estado de Minas Gerais. As paralisações ocorrem tanto por determinações judiciais como por decisões da Agência Nacional de Mineração (ANM) e da própria empresa. A revisão das condições de segurança das estruturas também tem levado a suspensão das operações em complexos de outras mineradoras.

Indústria no PIB

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Os dados do primeiro trimestre de 2019 apontam que, além da queda de 0,2% na comparação com o último trimestre do ano passado, houve um leve crescimento de 0,5% na comparação o primeiro trimestre de 2018.

Na perspectiva da produção, a indústria respondeu pela queda mais significativa. Houve uma recuo de 0,7% na comparação com o último trimestre do ano passado. Já são dois trimestres seguidos em queda. “Além da indústria extrativa, a indústria da transformação também teve desempenho negativo e é a que mais pesa dentro do total da indústria”, disse gerente de contas nacionais do IBGE.

A agropecuária também teve recuo de 0,5%, enquanto os serviços cresceram 0,2%. “A parte dos serviços mais relacionada com a indústria como comércio e transportes tiveram efeitos negativos: ou desaceleram na comparação interanual ou ficaram em patamar negativo. Os destaques mais positivos ficaram por conta dos serviços mais correlacionados às famílias, como serviços imobiliários de aluguel e serviços de informação”, acrescentou Claudia.

Edição: Maria Claudia

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!