Firjan avalia que reforma pode destravar R$ 1,4 trilhão de investimentos – Exame

Além da indústria, setor varejista e seguradoras também avaliam com otimismo a questão da Previdência, e começam a se voltar para a reforma tributária

Por Estadão Conteúdo

access_time 11 jul 2019, 13h01 – Publicado em 11 jul 2019, 13h00

A reforma da Previdência tem potencial para destrava R$ 1,4 trilhão em investimentos, pelas contas da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). Estudo realizado pela entidade concluiu que a perspectiva é que gargalos na oferta de serviços à população sejam solucionados.

“A Firjan considera a aprovação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados um grande passo para o equilíbrio das contas públicas e a retomada do desenvolvimento no país, mas ressalta a importância da inclusão de estados e municípios”, afirma a entidade, em comunicado.

A avaliação é que o déficit da Previdência nos estados chega a R$ 77,8 bilhões, o que tem impacto direto na oferta de serviços à população. Pelas contas da entidade, de 2014 a 2018, houve uma redução de 49,8% no volume de investimentos dos estados, o que significou uma retração de R$ 34,7 bilhões e afetou a oferta de produtos, serviços e postos de trabalho.

“Além disso, caso estados e municípios não sejam incluídos na reforma, o caminho para o ajuste das contas será financiado por toda sociedade, por meio de novos aumentos da carga tributária, tornando produtos e serviços mais caros”, argumenta a Firjan, destacando que, no Rio, cada morador contribui com R$ 663,00 ao ano para cobrir o déficit de R$ 10,6 bilhões da Previdência estadual.

IDV: ânimo para empresários

O presidente do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), Marcelo Silva, avaliou como positiva a aprovação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados na noite da última quarta-feira. Segundo ele, a reforma trará ânimo aos empresários do setor varejista.

“Tínhamos previsão de que a reforma passaria, mas esse placar foi muito positivo, um pouco acima do previsto”, disse Silva ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, Para ele, o placar dá indícios de que outras pautas, como a reforma tributária, devem ganhar impulso.

“Vamos unir esforços para buscar a melhor reforma tributária”, afirmou. O IDV tem trabalhado ativamente pela simplificação do sistema tributário. As 70 empresas que compõem o instituto montaram um comitê para tratar da reforma tributária e arquitetar ideias para facilitar a abertura e fechamento de empresas e lojas, além de outras sugestões.

Silva também celebrou o fato de a aprovação ter acontecido antes do recesso do Congresso. “Se as coisas se arrastassem até o final do ano, como a gente se projetaria para 2020?”

Novo ciclo de crescimento

O presidente da seguradora japonesa Tokio Marine no Brasil, José Adalberto Ferrara, afirmou que a reforma da Previdência, aprovada quarta-feira, 10, em primeiro turno na Câmara marca um novo ciclo de crescimento econômico no Brasil em bases sustentáveis. O placar de votação, com 379 votos a favor ante 131 contrários, sinaliza, conforme o executivo, que o governo de Jair Bolsonaro tem capital político para seguir com a reforma fiscal e administrativa.

Apesar das divergências entre o governo e o Congresso Nacional, prevaleceu, de acordo com Ferrara, o bom senso a favor da sociedade com a aprovação da reforma da Previdência. “A aprovação da reforma da Previdência na Câmara ontem (quarta) pode acelerar outras reformas no Brasil, mas as medidas econômicas só serão aplaudidas com a redução do desemprego no Brasil”, avaliou ele, durante conversa com a imprensa, nesta quinta-feira.

Com melhores perspectivas para a economia brasileira aprovada a reforma da Previdência, o presidente da Tokio Marine espera que o setor de seguros, que representa cerca de 6% do Produto Interno Bruto (PIB) local, acelere o ritmo de crescimento. Até maio, o segmento apresentou expansão em torno dos 8% ante o mesmo período do ano passado.

“Acredito que voltaremos aos dois dígitos de expansão no mercado de seguros em 2020”, disse Ferrara, acrescentando que a seguradora já vem investindo no País mesmo antes da reforma da Previdência e, inclusive, ampliou seu quadro de funcionários no ano passado no meio da turbulência eleitoral.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!