Dólar renova mínima desde fevereiro de olho em Previdência e exterior Por Reuters – Investing.com

© Reuters. (Blank Headline Received)

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar teve a terceira queda seguida ante o real nesta quinta-feira, renovando o menor patamar de fechamento desde fevereiro, com o mercado confiante na conclusão da votação da reforma da Previdência na Câmara e atento aos sinais de baixa para a moeda norte-americana no exterior.

O dólar à vista cedeu 0,19%, a 3,7515 reais na venda, menor nível de fechamento desde 27 de fevereiro (3,7304 reais).

Na B3, o dólar futuro tinha variação negativa de 0,04%, para 3,7580 reais.

A divisa oscilou em leve alta durante boa parte do dia, com investidores dando uma pausa nas vendas à espera de novidades sobre a tramitação da reforma. A ideia é concluir a votação na Câmara até sexta-feira, mas o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), admitiu que não há garantia de que isso acontecerá.

De toda forma, no mercado o sentimento é que o placar da votação –379 votos a 131– indica forte apoio à reforma, o que abriria caminho não apenas à passagem da matéria no Congresso como também a discussões de outras pautas da agenda econômica.

“Acho que no curto prazo o real tende a se estabilizar, mas à medida que o segundo semestre andar e houver avanços em outras frentes (da agenda econômica), junto com retomada da economia, a taxa de câmbio deverá se valorizar”, disse Luis André Oliveira, sócio e gestor da Novus Capital. “Nesse contexto, vejo um dólar a 3,50 reais como possível”, finalizou.

O dólar cai cerca de 2,3% ante o real em julho, em baixa de 3,2% no ano. A moeda começou a perder força em meados de maio, logo depois de superar 4,10 reais, justamente por causa das incertezas sobre a pauta local de reformas.

Mas analistas ressalvam que o ambiente externo também tem tido importante papel no enfraquecimento do dólar aqui.

Nesta quinta, investidores tiveram endossadas expectativas de dólar mais fraco no mundo, conforme o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) manteve a porta aberta para cortes de juros no fim deste mês.

Como resultado, as moedas emergentes voltavam a subir, com um índice para esse grupo de divisas se aproximando de picos desde meados de abril.

O índice, que mede o desempenho do dólar frente a uma cesta de moedas, ensaiava queda nesta quinta-feira, em torno de 97,07. O BofA, contudo, acredita que o índice poderá recuar para a faixa de 93, implicando baixa de 4,2%.

A correlação entre o índice e o dólar no país tem crescido nos últimos meses, o que sugere que o movimento do câmbio doméstico está mais atrelado ao cenário no exterior.

(Por José de Castro)

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!