Mercado de seguros fatura R$ 103,7 bi de janeiro a maio

O faturamento do mercado segurador brasileiro alcançou R$ 103,7 bilhões, no acumulado de janeiro a maio deste ano, alta de 7,1% em comparação a igual período do ano passado. Somente em maio, a alta registrada foi de 16,1%, em relação ao mesmo mês de 2018, de 2%.

De acordo com a Confederação Nacional das Seguradoras (CNSeg), os dados excluem saúde suplementar, cujos últimos números ainda são anteriores a maio, e o seguro do trânsito DPVAT (Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre), cuja tarifa é administrada pelo governo.

Também nos 12 meses até maio deste ano, o faturamento do setor foi positivo em 1,5%, retomando a tendência de alta, após estabilização em abril, de 0,1%. Na avaliação do presidente da CNSeg, Marcio Coriolano, esse é um número importante e se aproxima do resultado apurado nos dois primeiros meses do ano, após quatro meses de 2018 em que o setor apresentou taxas de desempenho negativas.

Coriolano disse que a perspectiva para o setor este ano vai depender de resultados “consistentemente melhores a cada mês”. Ele acredita que os resultados de junho e, por consequência, do primeiro semestre, pautarão as expectativas para o ano.

Conjuntura

A análise de conjuntura do setor revela que o ramo de seguros patrimoniais, que envolve seguros de dados e responsabilidades, liderou a expansão registrada de janeiro a maio, em 15,7%, acompanhado dos planos de riscos, dentro do segmento cobertura de pessoas, com incremento de 15,4%. O segmento de títulos de capitalização também mostra expansão de 11,7% no acumulado até maio.

Nos últimos 12 meses findos em maio, os seguros de cobertura de pessoas – planos de riscos, no segmento de vida e previdência -, registraram alta de 11,3%, enquanto os planos de acumulação, que englobam PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) mostraram variação negativa de 5,6%. Apesar da queda da receita, houve melhoria em relação aos 12 meses encerrados em abril, quando a taxa foi negativa em 7,8%.

O seguro automóvel, que é o produto de maior arrecadação do segmento de danos e responsabilidades, evoluiu 3,6% em maio, em relação a igual mês do ano passado. No acumulado em 12 meses, foi sentida uma leve recuperação do produto, que cresceu 2,6%, contra 2,5% nos 12 meses completados em abril.

Edição: Fernando Fraga

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!