Café: Assim Como o Arábica, Houve Recuperação das Cotações do Robusta em Junho – Investing.com

ARÁBICA

Os preços domésticos do arábica finalizam junho em alta. O Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, posto na capital paulista, teve média de R$ 411,93/saca de 60 kg, forte recuperação de 5,9% em relação à média de maio. Em comparação com o mesmo período de 2018, entretanto, ainda houve queda de 14%, em termos reais (os valores foram deflacionados pelo IGP-DI de maio/19). A elevação em junho se deve à elevação dos futuros da variedade no mês, sobretudo na última semana, quando os preços voltaram aos patamares de dezembro de 2018, cenário que atraiu agentes ao spot e permitiu o fechamento de um bom volume de negócios. No geral, a comercializações de cafés da safra 2018/19 foi de 85 a 90% do total produzido no Brasil em junho.

No quadro externo, a valorização do café arábica foi reflexo das preocupações com o risco de geadas nas regiões cafeeiras do Brasil (o que poderia afetar a safra 2020/21), de fatores técnicos e da desvalorização do frente ao Real. A média de todos os contratos negociados na Bolsa de Nova York (ICE Futures) em maio foi de 103,93 centavos de dólar por librapeso, elevação expressiva de 8,8% em relação a maio. O dólar, por sua vez, registrou média de R$ 3,861, desvalorização de 3,4% no mesmo comparativo.

Vale (SA:) apontar que, na média da safra (de julho/18 a junho/19), houve recuo de 14,9%, frente à temporada 2017/18, com o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6 a R$ 422,62/saca de 60 kg. A média também foi a menor, em termos reais, desde a temporada 2001/02 (valores deflacionados pelo IGPDI de maio/19). A acentuada queda das cotações esteve atrelada, principalmente, à elevação da oferta global do grão, tendo em vista a safra recorde no Brasil e a boa produção no Vietnã e na Colômbia, segundo e terceiro maiores produtores mundiais, respectivamente.

A pressão sobre as cotações do café só não foi mais significativa por conta do dólar elevado ao longo da safra 2018/19. Na média da temporada, a moeda norte-americana foi de R$ 3,862, contra R$ 3,308 na anterior 2017/18. Assim, a média do Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6 foi de U$S 106,86/sc, 21,1% abaixo da observada na safra anterior. Por outro lado, a valorização do dólar também resultou em aumento dos custos de produção, refletindo especialmente em alta nos preços de adubos e de outros insumos agrícolas.

SAFRA 2019/20 – Para a próxima safra brasileira (2019/20), iniciada em julho deste ano, a expectativa de agentes é de que os preços sigam semelhantes aos vistos em 2018/19, pelo menos até a finalização da colheita. Isso porque, apesar das menores produção e qualidade observada até o momento – devido à bienalidade negativa e a problemas climáticos – a partir de agosto, o setor deve voltar a atenção para o desenvolvimento da temporada 2020/21, que será de bienalidade positiva no Brasil e contará com a produção de muitas lavouras recentemente renovadas.

Além disso, ainda há um volume considerável de café remanescente disponível. Em relação à colheita, após as dificultades devido às chuvas em maio, os trabalhos ganharam ritmo. Até a última semana de junho, as regiões de Garça (SP) e Noroeste do Paraná eram as mais adiantadas, com cerca de 50 a 70% dos grãos colhidos. Já na Mogiana (SP), no Sul e Cerrado Mineiro, as atividades variavam de 40 a 50%. Por fim, na Zona da Mata, a colheita atingia 40% do total esperado até a última semana de junho. Quanto à qualidade, apesar de ser observada leve melhora em relação ao início da colheita, agentes ainda mostram preocupação com o padrão do café arábica em todas as regiões, especialmente em relação ao aspecto, à bebida e à peneira inferiores nesta temporada.

ROBUSTA

Assim como para o arábica, houve recuperação das cotações do em junho, influenciados pela maior demanda – especialmente pelas indústrias de torrefação – e pela elevação dos futuros na Bolsa de Londres no final do mês. A alta dos valores e a maior demanda também permitiram o fechamento de negócios em junho, sendo que, no Espírito Santo, a comercialização da safra 2018/19 se aproximou dos 90% do total da safra. Já em Rondônia, colaboradores apontam que praticamente 100% havia sido vendida já em maio.

A média do Indicador CEPEA/ESALQ do tipo 6, peneira 13 acima, foi de R$ 289,42/saca de 60 kg, elevação de 3,6% frente a maio. Para o tipo 7/8 bica corrida, a média foi de R$ 279,90/sc, alta de 3,7% no mesmo comparativo. Entretanto, ambas ainda são, respectivamente, 18,5% e 19% inferiores às de junho do ano passado (os valores foram deflacionados pelo IGP-DI mai/19).

No cenário externo, as cotações passaram boa parte de junho em baixa, devido a movimentos técnicos. A recuperação no final do mês, por outro lado, foi reflexo especialmente da desvalorização do dólar e de preocupações quanto ao clima no Brasil. O contrato Setembro/19 do robusta na Bolsa de Londres (ICE Futures Europe) fechou a US$ 1.451,00/tonelada no dia 28 de junho, queda de 3,1% na comparação com o último dia útil de maio.

Quanto à média da safra 2018/19, o Indicador CEPEA/ESALQ do robusta tipo 6 foi de R$ 317,28/saca, 20,1% inferior à 2017/18. Já o tipo 7/8 finalizou com média de R$ 284,51/sc, recuo de 26,6% no mesmo comparativo. A queda esteve atrelada especialmente à baixa externa, que refletiu a elevação da oferta global do grão. A queda acentuada das cotações vem ocorrendo desde 2017/18, devido à recuperação da produção nacional, após o período de seca e safras volumosas no Vietnã, maior produtor da variedade.

SAFRA 2019/20 – A colheita da safra 2019/20 de robusta foi beneficiada pelo clima quente e seco em junho. No Espírito Santo, o volume colhido havia atingido de 70 a 80% da produção até o final de junho. Caso o clima siga favorável, colaboradores do Cepea acreditam que as atividades possam ser praticamente finalizadas até meados de julho. Apesar das preocupações iniciais de produtores capixabas quanto à uma possível quebra de safra, devido ao veranico em janeiro, a qualidade e a peneira dos grãos de robusta ainda estão dentro do normal. Quanto ao rendimento no beneficiamento, grande parte dos agentes acredita que está levemente inferior ao da temporada 2018/19, porém, ainda em bons níveis. Em Rondônia, os trabalhos estão praticamente finalizados em algumas regiões. Devido à colheita dos grãos tardios, agentes acreditam que as atividades devem ser finalizadas em julho. O padrão do robusta do estado também está dentro do desejado, com qualidade, peneira e quantidade de defeitos semelhantes às observadas na safra 2018/19.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!