Para os Touros do Petróleo, Silêncio de Trump sobre o Irã Não É Tão Valioso – Investing.com

O silêncio, geralmente, vale ouro. Mas, de um presidente que costuma tuitar demais, ele é mais enigmático do que valioso.

Para os investidores comprados em petróleo que apostam que as tensões com Irã podem continuar dando suporte ao acima de US$ 65, o fato de Donald Trump não ter se manifestado sobre a disposição de Teerã de resolver a crise provocada pelas sanções americanas pode acabar sendo até preocupante.

Isso porque qualquer touro do petróleo digno desse nome sabe exatamente qual é a posição de Trump em relação aos preços elevados da commodity.

Se puder ajudar, Trump quer preços mais baixos para o petróleo

O presidente dos EUA passou boa parte do ano passado tuitando contra os cortes de produção da Opep, enquanto o cartel trabalhava para reprimir a oferta e elevar os preços. Embora, neste ano, Trump tenha feito pouco nesse sentido – e por boas razões, já que fatores neutralizantes, como a guerra comercial com a China e outras preocupações com a demanda, torpedearam qualquer rali do petróleo antes que se estendesse demais –, não há dúvidas de que ele quer preços mais baixos para o petróleo, se puder ajudar.

A motivação de Trump para um petróleo mais acessível não é segredo para quase ninguém: a história já mostrou que os preços altos do petróleo não são nada bons para um presidente que busca reeleição, e Trump está a 16 meses da candidatura ao seu segundo mandato.

Gráfico Semanal WTI

Em uma coluna escrita no ano passado, o analista de energia da Reuters, John Kemp, observou que a elevação dos preços do petróleo norte-americano desde patamares abaixo de US$ 30 por barril, em fevereiro de 2016, para mais de US$ 70, em julho de 2018, impulsionou as economias do Texas, Oklahoma, Dakota do Norte e outros estados produtores.

Segundo Kemp:

“Mas esses estados, em sua maioria, são fortemente republicanos.”

“Por isso, o presidente está dando tanta atenção ao impacto danoso dos preços mais altos do petróleo e da gasolina nos consumidores dos estados indecisos.”

Do ponto de vista da Casa Branca, o preço ideal não seria tão baixo a ponto de causar problemas aos estados produtores, mas também não tão alto de forma a prejudicar os estados consumidores.

Por várias vezes no passado Trump expressou sua insatisfação com a forma como os preços e a produção de petróleo eram controlados pela Opep, que, aliás, estendeu até março de 2020 seu compromisso de cortar a produção normal em 1,2 milhão de barris por dia (mbpd).

…E ele quer que a Opep produza mais 2 mbpd

Ao ser perguntado sobre quanto o cartel deveria produzir, o presidente respondeu sem hesitação: “Eles têm que produzir mais 2 milhões de barris, na minha opinião.”

No auge do rali do petróleo no ano passado, Trump tuitou:

“Os preços do combustível estão altos, e eles estão fazendo pouco para ajudar. Essa deve ser uma via de mão dupla. REDUZAM O PREÇO JÁ!”

Ele explicitou a ligação entre as sanções ao Irã e a política de produção da Arábia Saudita em uma das suas entrevistas à Fox News.

Há poucas dúvidas em relação a quem o presidente se refere sempre que usa o coletivo “eles” no contexto da Opep: Arábia Saudita.

Como líder de fato do cartel, o país do Oriente Médio precisa garantir tanto o preço quanto a segurança do petróleo que produz e exporta. Isso é particularmente importante agora que o Irã, cada vez mais beligerante, está tentando prejudicar o resto da Opep, que aproveitou a retomada dos preços neste ano, enquanto Teerã estava impedido de participar do mercado pelas sanções norte-americanas.

Os EUA reagirão à influência do Irã, maior rival regional da Arábia Saudita, impondo-lhe sanções duras e dando segurança aos países do Golfo Pérsico através da presença das forças militares norte-americanas. Em troca, a Arábia Saudita protegerá os motoristas dos EUA contra um aumento nos preços da gasolina.

Isso nos leva à interessante mudança demonstrada agora pela disposição do Irã em negociar com o governo Trump depois de um ano de hostilidades e de tons elevados de ambas as partes, cujo auge foi a derrubada, em junho, de um drone de vigilância dos EUA pela República Islâmica.

Na segunda-feira, o Ministro de Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, afirmou que seu país queria conversar, e não fazer guerra com os EUA. Mas Zarif repetiu a pré-condição definida por seu chefe, o presidente Hassan Rouhani, no fim de semana para o início das negociações: primeiramente, todas as sanções dos EUA contra Teerã devem cessar.

Irã pode fornecer aqueles 2 mbpd a mais

A lógica obriga Trump a concordar em se sentar com os iranianos, pois aqueles 2 mbpd que ele está buscando da Opep encontram-se exatamente em Teerã. Após firmar o acordo nuclear original com o governo Obama e outras potências mundiais, em 2015, Teerã produziu até 2,5 mbpd em seu pico.

De fato, mesmo antes de os iranianos oferecerem a ele o cachimbo da paz neste fim de semana, Trump já os vinha convidando para a mesa de negociação, com um refrão praticamente idêntico: nada de guerra, só diplomacia.

As tratativas com o Irã permitiriam que Trump atingisse imediatamente dois objetivos: reduzir os preços do petróleo e corrigir mais um “erro” da era Obama.

Preço do petróleo pode cair pelo menos US$ 5 por barril quando as negociações forem anunciadas

Quando Trump responder ao chamado de Teerã, a expectativa é que o preço do petróleo caia pelo menos US$ 5 por barril, e cada recuperação a partir daí será ditada pela possibilidade de um iminente Acordo Nuclear 2.0 com o Irã.

É possível que o presidente se gabe de como o “acordo Trump-Irã” é melhor para o mundo, em comparação com o acordo original de Obama em 2015, que ele classificou como “o pior acordo de todos os tempos”.

Concordar com a pré-condição do Irã pode ser interpretado como fraqueza

Mas, ao concordar com a pré-condição de Rouhani para as tratativas, Trump também ficará nas mãos dos iranianos ao lhes dar aquilo que querem exatamente: exportar seu petróleo imediatamente e se preocupar depois com a política e as normas definidas pelos EUA.

Isso pode ser interpretado como um sinal de fraqueza por parte de Trump e certamente deve enfurecer a ala linha-dura do seu governo que se empenhou em dificultar as coisas para a República Islâmica. E abandonar as tratativas mais tarde – se não funcionarem – e reimpor sanções pode apenas dissolver a determinação do pensamento original de Trump com os iranianos.

O Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, já deixou claro que não está nada contente com a pré-condição de Rouhani, embora reconheça que quem “tomaria a decisão” seria Trump.

Enquanto o mundo aguarda o tuíte ou a resposta de Trump, temos a opinião de que ele dará prioridade à sua campanha política, e não ao mundo.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!