Dólar cai ante real, acompanhando tendência global Por Reuters – Investing.com


Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar teve leve queda ante o real nesta quarta-feira, respondendo mais uma vez ao movimento da moeda no exterior, onde predominaram expectativas de que o Federal Reserve reduzirá os juros no fim deste mês, o que tende a melhorar a liquidez e atrair capital para mercados como o Brasil.

O caiu 0,25%, a 3,7617 reais na venda.

O índice, que mede o valor do dólar frente a uma cesta de divisas, cedia 0,18% no fim da tarde.

Com menor fluxo de notícias locais –conforme a retomada dos trâmites da reforma da Previdência ficou para agosto–, operadores têm reagido mais intensamente ao noticiário externo, que em linhas gerais ainda ampara cenários de dólar mais fraco.

Dessa forma, uma medida do grau de sintonia entre os mercados de câmbio doméstico e externo tem subido e já se encontra nos maiores níveis em 16 meses.

A correlação de 10 pregões saltou para 0,64, maior valor desde 9 de março de 2018. Quanto mais próximo de 1, mais alinhados positivamente estão os preços de dois ativos –ou seja, se o dólar sobe lá fora, sobe no mercado local.

Em meados de maio, essa medida estava em -0,67, reflexo de movimentos discordantes entre o dólar no Brasil e no exterior. Nesse período, o dólar estava acima de 4 reais, pressionado por incertezas sobre o andamento da reforma das aposentadorias.

Mantida a correlação positiva elevada, a tendência do dólar no Brasil é de queda, pelo menos na visão do Morgan Stanley, já que o banco vê a moeda se enfraquecendo mais no exterior como forma de reflacionar a economia norte-americana.

“A recente comunicação do Fed apontando a baixa inflação e riscos comerciais e ao crescimento sugere que o BC dos EUA pode surpreender com um corte agressivo de juros”, disseram estrategistas do banco.

Em outro fator de suporte ao real, o Goldman Sachs afirmou que no Brasil o BC também pode limitar as quedas da Selic para evitar pressões maiores sobre o câmbio.

“Já houve um alívio das condições financeiras com o rali dos ativos recentemente, e um corte agressivo da Selic poderia ser contraproducente”, afirmou Alberto Ramos, diretor de pesquisas econômicas do Goldman Sachs para a América Latina.

(Por José de Castro)

Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!