Cinco Razões que Explicam A Venda de Dólar Americano No Mundo – Investing.com

Kathy Lien, diretora executiva de estratégia de câmbio da BK Asset Management

Os investidores estão vendendo , e gostaríamos de explicar por quê. Todas as principais divisas se valorizaram em relação à moeda americana na quinta-feira, com exceção do . Há cinco razões que explicam a fraqueza do nas últimas 24 horas:

Cinco razões pelas quais os traders estão vendendo dólar:

  1. O Federal Reserve (banco central dos EUA) deve cortar as neste mês;
  2. O Irã capturou um navio petroleiro estrangeiro;
  3. O Secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, sugere possível mudança na política monetária;
  4. Decepção com balanços derruba ações nos EUA;
  5. fecha nas mínimas de 1 mês.

O cenário é de fraqueza para o , pois a expectativa é que o Federal Reserve reduza as neste mês. Ainda que o banco central dos EUA faça apenas um corte em 2019, o simples fato de que a instituição adotará uma política de flexibilização depois de elevar os juros em dezembro marca uma mudança significativa na política monetária e na perspectiva para a economia.

Os investidores também estão preocupados com as tensões no Oriente Médio após o Irã capturar um navio petroleiro estrangeiro. Vale lembrar que os EUA quase atacaram o Irã em junho, depois que um drone americano foi derrubado no Estreito de Ormuz.

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, indicou a possibilidade de uma mudança na política do dólar na quinta-feira pela manhã. Ele afirmou que não havia previsão de mudança na política monetária do país “por enquanto”, sugerindo que a secretaria pode alterar o apoio do governo a um dólar forte no futuro como outra forma de colocar a balança comercial a favor do país.

A temporada de balanços está a todo vapor, e os resultados têm sido medíocres. As ações apresentaram queda por quatro dias consecutivos, afetando a cotação do . O do Japão não ajudou os americanos, fazendo com que o par USD/JPY fosse negociado perto da mínima mensal. Esperamos mais perdas no futuro, com o possível teste das mínimas de junho, próximas de 106,78.

A e o tiveram o melhor desempenho. As superaram todas as expectativas, subindo 1% em junho, contra uma previsão de queda de 0,3%. O consumo, , também foi muito forte, o que significa que a demanda subjacente é robusta. Essa elevação foi suficiente para cobrir as quedas de abril e maio, amenizando as preocupações com o impacto do menor . Os traders da libra esterlina também ficaram animados com reportagens de que a União Europeia estaria aberta a uma alternativa para a questão fronteiriça, o que tem sido um ponto de pressão para os dois candidatos que lideram a corrida para o cargo de primeiro-ministro do Reino Unido.

O se valorizou depois dos últimos . Embora tenham sido criados apenas 500 empregos em junho, o dado se deve inteiramente ao emprego por meio período. Houve um aumento de 21.000 empregos em tempo integral, um crescimento sólido que deixou a inalterada em 5,2%. O dado poderia ter sido pior, de acordo com os PMIs, o que trouxe alívio aos investidores. O par AUD/USD encontra-se na região das máximas de três meses e pode continuar subindo nos próximos dias.

Por fim, o não conseguiu participar do rali de quinta-feira, pois os caíram pelo sexto dia consecutivo. O preço do petróleo bruto despencou para US$ 55 por barril, seu menor nível em quase um mês. As canadense devem ser divulgadas na sexta-feira, e os investidores temem que, em razão da política moderada do Banco do Canadá, possamos ver números de consumo mais amenos. Se o dado for fraco, pode ser que se forme um fundo para o USD/CAD.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!