A Insustentável Leveza da Dívida Americana – Investing.com

O acordo para o adiamento e elevação do teto da dívida americana mascara um evento de proporções homéricas e consequências ainda não medidas por conta da inflação bastante controlada, em meio a um cenário que ainda apresenta crescimento econômico.

Os EUA continuam sendo o lugar mais atraente para se investir e sua dívida soberana continua sendo um safe haven para os investidores, mas com a economia desacelerando, dependem cada vez mais dos estrangeiros para comprar seus bônus e financiar sua dívida.

A vantagem ainda reside em grandes economias globais com juros negativos, mantendo os EUA atraentes.

Segundo o Departamento do Tesouro Americano, o déficit orçamentário teve um salto de 23% entre outubro e o final de junho, adicionando cerca de US$ 750 bi, elevando a relação da dívida para 101% do PIB e de acordo com o IIF, no primeiro trimestre de 2019, a dívida total dos setores público e privado dos Estados Unidos chegou a quase US$ 70 tri.

Um corte de 25 bp na taxa americana significa um carregamento anual do custo da dívida reduzido em US$ 4 bi dos atuais US$ 800 bi, ou seja, não é isso que resolve o problema.

O problema é que o corte de impostos promovido por Trump começa a dar sinais de desgaste e dado o crescimento do déficit, também alimentado pela menor arrecadação, é impossível repetir o uso de tal instrumento.

Eis o problema no qual os EUA estão inseridos. A única esperança reside mesmo no corte de juros.

Localmente, investidores reagem à divulgação por Paulo Guedes da liberação inicial de R$ 500 do FGTS, ampliação do repasse dos ganhos do fundo aos cotistas e saques de parte do fundo no aniversário das contas.

Ainda que limitada, principalmente dada a situação de emprego no Brasil, a liberação veio acompanhada da privatização da BR Distribuidora (SA:) e do Novo Mercado de Gás, elementos que no médio prazo são positivos.

Ao COPOM na próxima semana, resta sinalizar o corte de juros em setembro, coincidindo com o corte americano e a reforma da previdência.

Na agenda corporativa, localmente Telefonica (MC:), Santander (SA:), Pão de Açucar e Weg (SA:) e no exterior, Facebook, AT&T, Boeing, PayPal, GlaxoSmithKline, Christian Dior, Caterpillar, Daimler, Tesla (NASDAQ:), Ford, Canon, Deutsche Börse, Experian (LON:), Repsol (MC:), Peugeot, Azko Nobel, Equifax e Valeo (PA:).

CENÁRIO POLÍTICO

Ontem foram presos hackers pela Polícia Federal, supostamente envolvidos no roubo de dados de celulares de autoridades, em especial o ministro Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol.

Não há resultados ainda das prisões, porém caso se mostre verdade, é mais um golpe à oposição combalida que tentava se capitalizar no evento.

ABERTURA DE MERCADOS

A abertura na Europa é sem rumo e os futuros NY abrem em queda, com dados de PMI fracos na Europa.

Na Ásia, o fechamento foi positivo, na expectativa com avanços na guerra comercial.

O opera em queda contra a maioria das divisas, enquanto os Treasuries operam negativos em todos os vencimentos.

Entre as commodities metálicas, altas, destaque à prata.

O abre sem rumo, mesmo com estoques caindo nos EUA.

O índice de volatilidade abre em alta de 2,85%.

INDICADORES

CÂMBIO

Dólar à vista : R$ 3,7745 / 0,90 %
Euro / Dólar : US$ 1,11 / -0,054%
Dólar / Yen : ¥ 108,04 / -0,176%
Libra / Dólar : US$ 1,25 / 0,297%
Dólar Fut. (1 m) : 3772,97 / 0,95 %

JUROS FUTUROS (DI)

DI – Julho 20: 5,41 % aa (-0,12%)
DI – Janeiro 21: 5,42 % aa (-1,28%)
DI – Janeiro 23: 6,31 % aa (-0,79%)
DI – Janeiro 25: 6,87 % aa (-1,01%)

BOLSAS DE VALORES

FECHAMENTO

: -0,24% / 103.704 pontos
: 0,65% / 27.349 pontos
: 0,58% / 8.251 pontos

: 0,41% / 21.710 pontos
: 0,20% / 28.524 pontos
: 0,77% / 6.777 pontos

ABERTURA

: 0,321% / 12530,87 pontos
: -0,431% / 5593,96 pontos
FTSE: -0,900% / 7488,87 pontos

Ibov. Fut.: -0,17% / 104098,00 pontos
S&P Fut.: -0,299% / 2999,00 pontos
Nasdaq Fut.: -0,529% / 7941,50 pontos

COMMODITIES

Índice Bloomberg: 0,40% / 79,71 ptos

Petróleo WTI: 0,11% / $56,83
:-0,03% / $63,81

: 0,58% / $1.426,00
: 0,34% / $120,42

: 0,06% / $15,46
: 0,35% / $428,75
: 0,78% / $103,00
: -0,50% / $11,92

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!