Dólar tem maior alta desde meados de junho com força da moeda no exterior Por Reuters – Investing.com

2/2
© Reuters. (Blank Headline Received)

2/2

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar teve nesta terça-feira a maior alta diária ante o real em mais de um mês, na esteira dos ganhos da moeda norte-americana no exterior, que operava nas máximas em cinco semanas com sinais de força da economia dos Estados Unidos.

A volatilidade cambial teve nesta terça a maior alta desde o fim de junho, quebrando uma sequência de quatro baixas consecutivas que haviam levado essa medida de incerteza no câmbio ao menor patamar desde julho de 2014.

O real esteve entre as divisas que mais perdeu terreno nesta sessão, depois de vários pregões recentes na ponta de valorização, quando captou o efeito positivo do andamento da agenda brasileira de reformas.

No exterior, o dólar saltava a máximas em cinco semanas ante uma cesta de moedas, em alta contra praticamente todos os seus principais rivais.

O dólar voltou a tomar fôlego no mundo depois de o Fed de Nova York conter expectativas de um corte mais agressivo de juros nos EUA no fim deste mês. Além disso, a moeda tinha suporte nesta sessão com o acordo firmado entre a Casa Branca e líderes do Congresso norte-americano para evitar um novo “shutdown”.

As chances de menor alívio monetário nos EUA ganharam força enquanto no Brasil os mercados ampliaram apostas em redução mais expressiva de juros até o fim do ano. Nesse cenário, o diferencial de taxas entre os dois países ficaria menos favorável ao Brasil, com menor estímulo a fluxos para a renda fixa doméstica.

Isso teria efeito de conter fluxos de dólar ao país, o que por tabela poderia dar sustentação ao dólar em patamares ainda altos.

“Qualquer leitura do IPCA-15 (de julho) abaixo de 0,13% provavelmente turbinará apostas de cortes da Selic e poderá reverter a queda recente do dólar”, disse Dimitri Zabelin, analista do DailyFX.

O IPCA-15 subiu apenas 0,09%, e no mercado de DI investidores ampliaram posições em prol de um corte de 0,50 ponto percentual da Selic no fim deste mês.

O Bank of America Merrill Lynch está entre os bancos que esperam corte agressivo do juro, para 4,75% ao fim deste ano (dos atuais 6,50%). Ainda assim, o BofA melhorou a previsão para a taxa de câmbio, de 3,80 reais ao fim deste ano para 3,70 reais.

“Há expectativa de fluxo de concessões, IPOs, privatizações…”, o que respalda a expectativa de ganhos moderados para o real, disse David Beker, chefe de economia e estratégia do Bank of America Merrill Lynch para o Brasil.

O dólar à vista subiu 0,89% nesta terça, a 3,7729 reais na venda.

É a mais forte valorização desde 14 de junho (+1,16%). O patamar de encerramento é o mais alto desde 8 de julho (3,8081 reais).

Na B3, o contrato de dólar futuro mais líquido tinha ganho de 0,88%, a 3,7770 reais.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!