Governo avalia que Mercosul precisará de reformas após acordo com UE – Exame

Secretaria de Comércio Exterior quer reformas internas para flexibilizar e modernizar bloco econômico

Por Estadão Conteúdo

access_time 25 jul 2019, 15h42

O acordo entre o Mercosul e a União Europeia vai ser um catalisador de reformas dentro do bloco sul-americano e é isso que a equipe econômica está buscando, disse nesta quinta-feira, 25, o coordenador geral de negociações extra regionais da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), Carlos Biavashi Degrazia.

“A ideia é que a partir desse acordo com a UE a gente promova reformas dentro do Mercosul que permitam maior flexibilidade, maior modernização para que o Mercosul possa se adaptar aos desafios”, disse após palestra para empresários na Casa Firjan, da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro.

Ao final da palestra, uma empresária questionou o executivo da Secex sobre como será feita a divisão entre os países em relação à exportação de arroz, por exemplo, que tem no Uruguai também um importante produtor. “Cada guerra de uma vez”, disse brincando, sinalizando que as negociações poderão ser acirradas entre os países, o que é normal, mas que serão escolhidos critérios e haverá muito debate até que se feche o acordo definitivo.

“A partir de agora terá que ser feita a divisão. Nós recebemos cotas da UE, cotas por exemplo de carnes de 99 mil toneladas que nos ofereceram e vai ter que ter uma divisão dentro do Mercosul. O nível dessas cotas ainda não foram definidos, mas é um dos temas que serão objeto de debate”, explicou.

Segundo ele, ainda não há uma data específica para a divisão das cotas. “Entendo que vai ter um debate interno dentro do Mercosul e vai se buscar critérios para fazer a alocação dessas cotas”, disse.

Presente no evento, o embaixador Graça Lima, membro do Conselho de Relações Internacionais da Firjan, que há anos acompanha o assunto, afirmou que ainda faltam muitas etapas para o acordo ser concluído e existem muitos obstáculos, e citou como exemplo a França, lembrando que existem produtos sensíveis que mesmo que tenham tarifa zero não serão importados

“A conclusão das negociações é uma boa notícia, mas não é o fim do processo. É o início de um processo de natureza política com todas as implicações que isso tem”, avaliou. “Eu vejo muitos obstáculos à frente, e existe uma coisa que é realidade política e países como a França são muitos sensíveis, tem muitas exigências de determinados setores. Não é à toa que muitos produtos nunca terão livre comercio”, explicou.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!