Milho: Impulsionados Pela Demanda Externa Aquecida, Preços se Elevaram em Junho – Investing.com

Impulsionados pela demanda externa aquecida, os preços do apresentaram considerável elevação em junho. No mercado de lotes (negociação entre empresas), a alta média das praças acompanhadas pelo Cepea foi de 5,5% e, no balcão (preço recebido pelo produtor), de 3,4%. Na região de Campinas (SP), compradores ainda aguardam um maior volume do cereal para realizarem negócios e, assim, o Indicador ESALQ/BMF& subiu 0,8% no acumulado do mês, fechando a R$ 38,85/saca de 60 kg no dia 28. A média mensal, por sua vez, foi de R$ 38,04/sc, aumento expressivo de 9,2% em relação a maio.

As altas nos valores refletiram principalmente o aquecimento de negócios nos portos brasileiros. De maneira geral, as efetivações ocorreram em patamares maiores comparados aos do mercado interno, levando compradores brasileiros a elevarem as cotações para efetivar novos negócios, sustentando o movimento de alta na maior parte do mês.

Os preços nos portos brasileiros subiram de forma expressiva por dois motivos: as dificuldades no semeio dos Estados Unidos, principal exportador mundial de milho, e a alta competitividade internacional do milho brasileiro em junho, com os preços nos portos brasileiros abaixo das cotações norte-americanas e argentinas.

Nos Estados Unidos, apesar de a janela ideal de plantio finalizar no início de junho, produtores continuaram com os trabalhos de campo e terminaram apenas após este período. A preocupação dos agentes também se concentrou no desenvolvimento das lavouras, que tiveram problemas com o excesso de chuvas durante todo o plantio. Segundo relatório do USDA, até o dia 1º de julho, as lavouras consideradas boas ou excelentes correspondiam a 56% da área, 20 p.p. menor que no mesmo período de 2018.

Quanto aos preços brasileiros, estiveram mais competitivos. Em junho, o primeiro contrato em aberto na B3 esteve 4,9% inferior ao primeiro vencimento na Bolsa de Chicago (CBOT/CME), ao passo que, no mesmo mês de 2018, os valores no Brasil superavam em expressivos 21% os negociados na bolsa norte-americana.

Neste cenário, as exportações do cereal brasileiro ficaram superiores às registradas nos anos anteriores. Segundo a Secex, em junho, foram embarcadas 1,37 milhão de toneladas do cereal, 33% superior ao mês anterior e quase nove vezes acima do registrado no mesmo mês de 2018.

Por outro lado, o movimento de alta foi limitado pelo avanço da colheita da segunda safra de milho no Brasil. No Paraná, a colheita alcançou 41% da área estadual até 1º de julho, avanço significativo de 35 p.p. no mês, segundo dados da Seab/Deral. Em Mato Grosso, entre maio e junho, produtores avançaram 37 p.p. sobre a área estadual, alcançando 40,8%, segundo o Imea/MT.

Em São Paulo, porém, até o final do mês, os trabalhos de campo não haviam se intensificado e, assim, produtores não apresentaram interesse em negociar, segundo colaboradores do Cepea.

Na Argentina, a colheita do cereal foi prejudicada pelo grande volume de chuvas durante o mês, avançando apenas 8,6 p.p. em junho, alcançando 46% da área nacional até o dia 27, segundo relatório da Bolsa de Cereales. As chuvas volumosas também dificultaram o avanço dos trabalhos no campo. Apesar disso, a produtividade se mantém alta, estimada em 9,1 t/ha, e a produção nesta campanha deve ser de 48 milhões de toneladas.

Na Bolsa de Chicago (CME Group), os contratos de milho iniciaram o mês com forte alta, mas foram recuando com a previsão de melhora no clima nos Estados Unidos. O primeiro vencimento (Jul/19) chegou a US$ 4,54/bushel, um dos maiores patamares registrados para este contrato. Já no acumulado do mês, Jul/19 fechou com baixa de 1,58% no dia 28, cotado a US$ 4,2025/bushel (US$ 165,44/t), e o vencimento Set/19 apresentou queda de 2,58% em relação a maio, a US$ 4,2475/bushel (US$ 167,21/t).

Já na B3, a expectativa de maior oferta nos próximos meses pressionou os vencimentos futuros de milho. Os contratos Jul/19 e Set/19 recuaram 2,8% e 4,3%, respectivamente, ao fechar o pregão do dia 28 a R$ 37,2/sc e a R$ 37,16/sc, nessa ordem.

Série Estatística

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!