Paulo Guedes e o dilema liberal na Zona Franca de Manaus – Exame

Ministro assumiu nesta semana a presidência do órgão que gerencia as isenções da Zona Franca, e quer aprovar projeto que mude o sistema

Por Redação EXAME

access_time 25 jul 2019, 06h26 – Publicado em 25 jul 2019, 06h15

A Zona Franca de Manaus se tornará um dilema liberal profundo para o ministro da Economia, Paulo Guedes. Ao lado do presidente Jair Bolsonaro, o ministro viaja nesta quinta-feira ao Amazonas para a primeira reunião da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), na qual assumiu a presidência do conselho de administração na segunda-feira. 

A visita também vem cercada de polêmica depois que agentes federais invadiram uma reunião que organizava um protesto contra Bolsonaro no Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas, e com novos protestos marcados contra o governo. Mas o foco, na economia, deve ser a Zona Franca, que, fundada em 1967, dá isenção fiscal federal para empresas instaladas no Amazonas, Roraima, Acre, Rondônia e Amapá. 

As regras da autarquia apontam que o ministro da Economia deve chefiá-la, mas a transição só acontece agora porque a pauta foi adiada pelo governo durante todo o primeiro semestre. Guedes e sua equipe são historicamente críticos à Zona Franca. Por ano, a União dispões de cerca de 25 bilhões de reais em subsídios, o que, para o ministro, é um alto custo e que gera poucos empregos. 

Por isso, a Secretaria de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec) do Ministério da Economia discute o que chama informalmente de “projeto Dubai”– cidade dos Emirados Árabes que no passado começou a criar seu polo turístico e financeiro para além do petróleo. O programa prevê estimular cinco setores (biofármacos, turismo, defesa, mineração e piscicultura) e que, até 2073, as empresas na região gerem em retornos o equivalente ao subsídios concedidos pelo governo. 

Políticos e empresários da região devem abordar Bolsonaro e Guedes durante a visita de hoje. O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB), afirmou que importa pouco o setor de atuação das empresas e mais a permanência dos incentivos fiscais, sem os quais “não tem razão para alguém ficar aqui”, conforme declarou ao jornal Folha de S.Paulo. 

Mudanças, de fato, precisam ser feitas. O Congresso seguiu renovando a permissão da Zona Franca sem que cálculos de impacto fossem feitos, ainda que auditorias recentes mostrem que os subsídios não são eficientes e que a fiscalização é falha (até cadastrados do Bolsa Família apareceram na lista dos incentivos fiscais). Contudo, algumas áreas do plano Dubai podem ser polêmicas, como a mineração, com o presidente Jair Bolsonaro já tendo defendido uma mineração “racional” inclusive para áreas protegidas. 

No entanto, mesmo o plano Dubai, na teoria, vai contra as políticas liberais de Guedes. Enquanto isso, cálculos apontam que a Zona Franca gera mais de 200.000 empregos diretos e indiretos em Manaus e também postos em outras regiões do país decorrentes das atividades industriais no Norte. Será um tema espinhoso que acompanhará o ministro ao longo dos anos, e longe de ser resolvido nas conversas desta quinta-feira. 

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!