Produção de aço bruto cai 1,4% no primeiro semestre

A produção brasileira de aço bruto registrou queda de 1,4% no primeiro semestre do ano em comparação com o mesmo período de 2018. Segundo o Instituto Aço Brasil, foram produzidas 17,2 milhões de toneladas de janeiro a junho, enquanto no ano passado saíram dos fornos 17,5 milhões de toneladas de aço.

As vendas no mercado interno tiveram uma ligeira alta, de 1,3%, com a comercialização de 9,2 milhões de toneladas nos primeiros seis meses do ano. As exportações registram queda de 2,4% no volume, que totalizaram 6,7 milhões de toneladas. Em valores, as vendas para o exterior caíram 5,9%, ficando em US$ 4 bilhões.

“Eu diria que foi um semestre muito ruim, frustrando as expectativas”, afirmou o presidente do Aço Brasil, Marco Polo Lopes. Segundo ele, a produção de aço acompanha diretamente o crescimento da economia, que também teve uma expansão menor do que a prevista inicialmente.

Com a economia nacional desaquecida, Lopes disse que as indústrias têm buscado as exportações como forma de escoar a produção. “A grande necessidade de exportação. A indústria siderúrgica brasileira está exportando alguma coisa em torno de 40% da sua produção. É muita coisa, por conta dessa depressão do mercado interno”, ressaltou.

Projeções

O cenário levou o instituto a rever as previsões para o setor. A estimativa no início do ano era de que a produção de aço bruto crescesse 2,2% neste ano. Agora, a previsão é de expansão de 0,4%, chegando a 35,5 milhões de toneladas em 2019. “Tem uma queda forte ao que tínhamos previsto antes, por causa do desempenho do primeiro semestre”, enfatizou Lopes.

A projeção de vendas para o mercado interno foi cortada quase pela metade, saindo de 4,1%, nas primeiras previsões, para 2,5% atualmente. O que significa a comercialização de 19,4 milhões de toneladas. Em relação às exportações, já era esperada uma queda de 6,1%, que foi atualizada para 7,3% em volume e 12,4% em valores, ficando em US$ 7,7 bilhões no ano.

Brumadinho

A queda na produção e os problemas de fornecimento devido ao desastre na mina da empresa Vale, em Brumadinho (MG), também trouxeram impactos negativos para o setor. Segundo o presidente do instituto, houve um forte aumento do preço do minério de ferro no mercado internacional. “O minério, antes de Bumadinho, valia US$ 60 [a tonelada e, após o rompimento da barragem, passou a valer valer US$ 100, US$ 110.

Então, houve aumento monumental no preço do minério. “A qualidade do minério caiu”, disse Lopes.

A instabilidade na produção da principal mineradora do país tem reflexos ruins na indústria do aço. “É uma situação que preocupa o setor, não dá previsibilidade.”

Edição: Maria Claudia

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!