Déficit primário é de R$11,4 bilhões em junho — melhor que o esperado – Exame

Meta do déficit primário total em 2019 é de R$ 139 bilhões

Por Reuters

access_time 26 jul 2019, 16h38 – Publicado em 26 jul 2019, 16h22

Brasília — O governo central, formado por Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social, registrou um déficit primário de 11,481 bilhões de reais em junho, menor que o rombo de 16,380 bilhões de reais de igual período de 2018, em meio a uma redução de despesas que foi positivamente afetada pela base de comparação.

O desempenho também veio melhor que a projeção de um déficit de 14,850 bilhões de reais no mês, segundo pesquisa Reuters.

Em relatório, o Tesouro lembrou que junho de 2018 foi marcado por gastos atípicos, incluindo de 3,6 bilhões de reais em emendas parlamentares e de 1,7 bilhão de reais em aumento de capital de empresas estatais, entre as quais a Emgepron, empresa ligada à Marinha brasileira.

No geral, as despesas caíram 4,2% em junho, em termos reais, sobre um ano antes, 104,275 bilhões de reais.

A receita líquida, por sua vez, subiu 1,6% na mesma base, a 92,794 bilhões de reais.

Sozinho, o rombo da Previdência foi de 14,986 bilhões de reais em junho, enquanto Tesouro e BC apresentaram um resultado positivo de 3,505 bilhões de reais.

No acumulado do primeiro semestre, o déficit chegou a R$ 28,924 bilhões, melhor que o saldo negativo de 31,593 bilhões de reais de igual período do ano passado.

Em 12 meses, o rombo é de 119,7 bilhões de reais, sendo que para 2019 a meta é de um déficit primário de 139 bilhões de reais.

Este será o sexto resultado consecutivo de déficit primário do país, em meio ao descompasso entre receitas e despesas, quadro agravado pelo trajetória ascendente dos gastos obrigatórios.

Mais cedo nesta semana, o governo anunciou um congelamento adicional de 1,443 bilhão de reais nos gastos do Executivo para seguir cumprindo a meta fiscal, após o comportamento mais fraco esperado para a economia ter levado a um corte de mais de 5 bilhões de reais nas receitas esperadas para o ano.

Em março, o governo já havia contingenciado quase 30 bilhões de reais.

Com as iniciativas, o Tesouro ressaltou nesta sexta-feira que a proporção de despesas discricionárias –que são passíveis de corte –deve alcançar este ano 6,8% das despesas primárias, bem abaixo do patamar de 9,5% de 2018, ressaltando a forte compressão sobre os gastos vigente, incluindo sobre os investimentos.

“Dado o exposto, fica evidente que o processo de ajuste fiscal exigirá cada vez mais uma mudança na dinâmica das despesas obrigatórias, em especial em relação ao crescimento das despesas com aposentadorias e pensões, bem como da folha de pessoal do governo central, com um maior controle na contratação de pessoal e nos reajustes dos vencimentos de funcionários públicos”, afirmou o Tesouro em nota.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!