No Twitter, críticas a Moro e a Bolsonaro – Isto É

Preso sob suspeita de hackear os celulares do ministro da Justiça, Sérgio Moro, do coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, o procurador da República Deltan Dallagnol, e de autoridades da cúpula dos três Poderes, Walter Delgatti Neto, o Vermelho, mantém um perfil no Twitter com publicações de diversas críticas aos alvos dos ataques virtuais.

A conta de Vermelho na rede social ficou inativa de 2011 até maio deste ano, dias antes da primeira divulgação de conversas atribuídas a Moro e a procuradores da Lava Jato pelo site The Intercept Brasil, em 9 de junho.

“Sérgio Moro, assume tudo logo, colabora com a Justiça, conta tudo o que sabe”, postou o perfil atribuído a Vermelho, logo após as mensagens vazadas começarem a ser divulgadas. “Cada dia que passa está ficando mais ridículo sua defesa apresentada. A casa caiu, tampar o sol com a peneira não vai adiantar”, escreveu.

Além de reproduzir notícias sobre as supostas conversas do então juiz, a conta vinculada a Vermelho publicou piadas sobre o caso e pedidos para que o ministro renunciasse ao cargo. “Será que o Moro vai ficar aí?”, escreveu em resposta ao próprio titular da Justiça, que havia compartilhado uma notícia sobre uma penitenciária federal.

Em algumas publicações, a conta usou a hashtag #JuizLadrão, em referência à declaração do deputado Glauber Braga (PSOL-RJ). Durante audiência de Moro na Câmara para dar explicações sobre as mensagens, o parlamentar chamou o ministro de “juiz ladrão”.

“Deve ser difícil ter que fazer coisas que você não queria fazer, né?”, tuitou o perfil de Vermelho em resposta à publicação de Moro em que o ministro da Justiça aparece em fotografia ao lado do presidente Jair Bolsonaro na final da Copa América. “Tentar maquiar tudo que está acontecendo? Fingir que tudo está bem? Dá para ver no seu rosto que nada está bem, deprimente isso!”

Na conta associada ao hacker ainda há críticas e ataques a Bolsonaro. Há retuítes de publicações de perfis que chamam o presidente de “cretino” e fazem ironias. “Jair Bolsonaro sendo vaiado por uma torcida que pagou 600 talkeys no ingresso? Por essa eu não esperava”, diz uma das mensagens replicadas.

Em 20 de julho, foi publicada na conta, sem legenda, uma montagem em que o rosto do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aparece com uma coroa, no corpo do rei Luiz I da Hungria. Vermelho se filiou ao DEM em 2007. O presidente do partido e prefeito de Salvador, ACM Neto, disse que pediu nesta quinta-feira, 25, a expulsão de Walter Vermelho da legenda.

‘Muito grave’

Em Araraquara, no interior paulista, Otília Gomes Delgatti, avó de Vermelho, ainda não se recuperou do susto. Na terça-feira passada, quatro viaturas da Polícia Federal cercaram sua casa. Os agentes procuravam seu neto. “Acho que ele fez uma coisa muito grave, se for verdade”, afirmou dona Otília, de 82 anos.

Vermelho foi localizado e preso na cidade de Ribeirão Preto – em depoimento, ele confessou ter hackeado o telefone de Moro e de outras autoridades.

O aparato policial na casa de dona Otília chamou a atenção dos vizinhos, pouco acostumados ao movimento no pacato bairro residencial. Ela descansava quando os agentes chegaram. “Reviraram a casa inteira, procuraram até no quintal e na casa do cachorro”, relatou.

“Eles foram educados, até gentis comigo. Foram ao quarto, ao banheiro, procuraram em tudo, mas meu neto, que eles procuravam, não estava. Ele saiu daqui em abril e eu esperava que ele voltasse. Neto dava notícias, dizia que estava em São Paulo. Só soube da prisão depois que a polícia foi embora. Ele estava em Ribeirão Preto, em um hotel. Eu não sabia”, afirmou a avó de Vermelho.

Dona Otília, que mora com outro neto, Wisley, irmão de Walter Vermelho, disse ainda que os dois ficaram abalados após a morte do pai, Walter Filho, em novembro do ano passado. “O Waltinho morreu engasgado com comida. Teve um enfarte enquanto comia. Eles ficaram arrasados.”

De acordo com dona Otília, seus netos são pouco ligados à mãe, Silvana Aparecida Francisco Delgatti, que mora em um outro bairro de Araraquara. “Era tudo aqui comigo, eu os criei como filhos, a referência deles é esta casa que meu marido me deixou”, afirmou. Silvana não foi localizada pela reportagem para comentar a prisão do filho.

A avó contou também que Vermelho sempre foi um rapaz curioso e inteligente. “Ele tinha 12 anos quando veio morar comigo. Eu e meu marido cuidávamos dele. Neto sabia conversar e, que eu saiba, não fazia nada errado. Estão falando muitas coisas. O celular do Moro e do Bolsonaro… Quanta elegância”, disse ela.

Otília afirmou ainda não conhecer os outros suspeitos presos. “Vieram aqui, me entrevistaram, mas eu não sabia de nada. Não conheço os outros meninos, o tal de Guto (Gustavo Santos, também preso) nunca veio aqui.”

Vermelho levava uma vida que, para ela, era normal. “Ele é muito bom, tinha muitos amigos. Não era casado, então tinha as namoradas por aí.” Ela disse que o outro neto, Wisley, procurou um advogado. “Ele disse que em cinco dias o Neto vai estar aqui. Acho que ele volta logo. Vou ficar esperando.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!