Liberação de FGTS é band aid em caso que requer quimioterapia, diz Abimaq – Exame

Diretor da Associação, Mário Bernardini afirma que não considera a medida do governo um erro, mas diz que é insuficiente e “se esgota em si mesmo”

Por Estadão Conteúdo

access_time 30 jul 2019, 16h39

No curto prazo o Brasil precisa aumentar os investimentos públicos para levar a economia à retomada do seu crescimento e não apenas aumentar o consumo, disse nesta terça-feira, 30, o diretor de Competitividade da Associação da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Mário Bernardini.

Para ele, que faz questão de lembrar que o Brasil já teve sua experiência malsucedida no estímulo à demanda apartada do investimento na oferta, liberar recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é aplicar “um ‘band aid’ em um paciente cujo caso requer quimioterapia”.

“Não diria que o governo está dando um tiro no pé ou cometendo um erro. Apenas que é insuficiente e se esgota em si mesmo”, disse, acrescentando que o FGTS vai colocar no mercado R$ 20 bilhões a R$ 25 bilhões – o governo fala em R$ 30 bilhões – que depois acabam.

Segundo Bernardini, tomando como base a liberação de recursos do FGTS e do PIS/Pasep no governo Temer, é sabido que metade dos recursos vai para pagar dívidas, o que é muito bom porque desalavanca as famílias, e que só metade vai para o consumo.

“Essa parte que vai para o consumo é muito pouco. Acho que isso é um band aid para um caso que precisa de quimioterapia. E a quimioterapia, neste caso, é investimento público em infraestrutura escolhendo aqueles setores que têm mais conteúdo em construção civil, que responde mais à fila do desemprego, e tocando as coisas que já estão prontas”, afirmou Bernardini.

Não é preciso inventar nada, de acordo com o diretor da Abimaq. De acordo com ele, tem um monte de obras que estão começadas e paradas e que basta o governo concluí-las para elas darem efeitos. “A relação custo-benefício é favorável até que durante um ano, um ano e meio se teria condições e um ambiente em que os investimentos privados internos e externos se sentissem confortáveis para começarem a substituir o investimento público” disse.

Para Bernardini, as duas coisas não são excludentes. Uma complementa a outra e neste momento a partida tem que ser dada pelo investimento público.

De acordo com o diretor da Abimaq, a retomada de crescimento é mais importante no curto prazo do que as reformas a que o governo tem tanto se dedicado, já que os impactos das reformas da Previdência e tributária são para o médio e longo prazo.

“Mas o governo precisa deixar a ideologia de lado e investir em infraestrutura. Não faz por uma questão de sua ideologia liberal. Temos quase 30 mil obras iniciadas e não acabadas para concluir. Não estamos pedindo para inventar coisas novas. É só acabar as obras começadas”, reiterou.

O diretor da Abimaq diz que o que mais preocupa é o desemprego porque deságua no aumento da violência. Para ele, do jeito que a situação se encontra a retomada do emprego não virá antes de dois anos. E o País, segundo ele, não aguenta esperar mais dois anos com 13 milhões de pessoas desempregadas. “O governo deveria deixar a ideologia de lado, abrir uma exceção e promover investimentos públicos até que os investimentos privados possam ser retomados”, sugeriu.

A questão do desemprego no Brasil para Mario Bernardini é apavorante porque contribui cada vez mais para o aumento da criminalidade. Isso porque, de acordo com ele, o maior número de desempregados está entre os mais jovens. “Que esperança esse jovem tem? Vai ser adotado pelo tráfico porque o traficante dá ao jovem um salário. E o que o governo está fazendo?”, criticou Bernardini.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!