Boi: Vendas Externas Sustentam Preços Domésticos – Investing.com

A média das cotações da arroba subiu em julho na comparação com o mês anterior, de acordo com informações do Cepea. O Indicador do boi gordo ESALQ/B3 (mercado paulista, à vista) teve média de R$ 153,12, 2,11% acima da registrada em junho. Com a demanda doméstica ainda fragilizada pelo baixo poder de compra da população, o suporte aos preços internos segue vindo do bom desempenho das exportações brasileiras de . Além disso, o volume de oferta de animais prontos para abate tem sido regulado, favorecendo a sustentação dos preços da arroba em julho, mesmo com escalas de abate relativamente confortáveis.

SUÍNOS: APESAR DE RECUO DO VIVO, PODER DE COMPRA AUMENTA

Em julho, as cotações do suíno vivo registraram movimento de baixa, segundo informações do Cepea. A retração gradativa nos valores pagos pelo animal vivo esteve relacionada, dentre outros fatores, ao menor ritmo de compras por parte das indústrias, principalmente as que exportam. Apesar disso, a média do mês ainda supera a de junho. Com as quedas nos preços de e farelo de , o poder de compra do suinocultor melhorou nas regiões SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba) e Oeste Catarinense. Segundo a Equipe de Grãos do Cepea, a baixa nos preços do milho se deve ao avanço da colheita da segunda safra, o que aumenta a disponibilidade do produto no País. Para o farelo de soja, as negociações estiveram mais lentas, pois os compradores que adquirem grandes volumes estavam abastecidos e, em alguns casos, o insumo está sendo substituído por farelo de algodão e polpa cítrica.

MELANCIA: MESMO COM CLIMA MAIS FIRME, DEMANDA NÃO REAGE

Apesar do aumento na temperatura no estado de São Paulo nos últimos dias, a demanda pela melancia não se elevou, e os preços seguem em queda, segundo colaboradores do Hortifrúti/Cepea. A fruta graúda (>12 kg) no Tocantins foi comercializada a R$ 0,36/kg entre 22 e 26 de julho, queda de 10,4% frente ao período anterior, enquanto em Goiás, a média foi de R$ 0,41/kg, 5,3% inferior. Agentes relataram melhor qualidade na melancia tocantinense, que tem tido melhor escoamento, enquanto a fruta de Goiás está com a casca mais grossa, devido ao maior tempo exposta ao frio. Para as próximas semanas, espera-se que as possíveis maiores temperaturas em agosto, aliadas ao período de volta às aulas, aumentem a demanda por melancia, o que pode limitar as baixas.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!