Camargo Corrêa fecha acordo de leniência com CGU e AGU – Exame

Os valores a serem ressarcidos envolvem os pagamentos de dano, enriquecimento ilícito e multa, no âmbito de contratos fraudulentos com recursos públicos

Por Paula Arend Laier, da Reuters

access_time 31 jul 2019, 18h35

São Paulo — A Controladoria-Geral da União (CGU) e a Advocacia-Geral da União (AGU) assinaram nesta quarta-feira acordo de leniência com a Camargo Corrêa, investigada pela operação Lava Jato, que prevê pagamento adicional pela empreiteira de cerca de 500 milhões de reais.

De acordo com nota da AGU, os valores a serem ressarcidos pela empresa envolvem os pagamentos de dano, enriquecimento ilícito e multa, no âmbito de contratos fraudulentos envolvendo recursos públicos federais, e os recursos serão integralmente destinados à União e às entidades lesadas.

“Durante as negociações, a empresa colaborou com informações e provas sobre atos ilícitos cometidos por mais diversas pessoas físicas e jurídicas, de modo que o acordo contribui para a consolidação da segurança jurídica do microssistema de combate à corrupção e de defesa do patrimônio público e da probidade administrativa”, afirma a nota.

A Camargo Corrêa afirmou que o acordo encerra “uma importante etapa” para o grupo.

“Esse novo cenário confere mais segurança jurídica para continuidade das operações da companhia e reforça seu compromisso de atuar de forma ética”, afirmou o grupo, que em 2015 já tinha assinado um acordo de leniência com o Ministério Público Federal (MPF) e acordos com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O valor total dos acordos da Camargo Corrêa com as autoridades agora atinge cerca de 1,4 bilhão de reais e inclui acertos assinados em 2015 com o MPF e Cade, além de correções monetárias. Desse valor, a maior parte decorre de enriquecimento ilícito obtido pela empresa em razão de influência em contratos fraudulentos – 905,9 milhões de reais. Outros 330,3 milhões de reais correspondem à restituição de valores pagos a título de propinas.

O montante ainda embute 36,2 milhões com multa administrativa, prevista na Lei Anticorrupção, e 123,6 milhões por multa civil, prevista na Lei de Improbidade Administrativa.

“O total de 1,396 bilhão de reais fixado no acordo de leniência da CGU e AGU, calculado de forma detalhada e técnica, recepcionará parte dos valores do termo celebrado pela empresa com o MPF”, afirmou a AGU.

Segundo a Camargo Corrêa, os 500 milhões de reais adicionais começarão a ser pagos em 2024 até 2038, quando o grupo já terá quitado os valores acordados em 2015 com o MPF. Os montantes serão corrigidos pela taxa Selic.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!