EUA e Rússia rompem tratado de desarmamento nuclear INF – Isto É

O secretário americano de Estado, Mike Pompeo, no Fórum Regional da ASEAN, no dia 2 de agosto de 2019, em Bangcoc. – POOL/AFP

Os Estados Unidos e a Rússia encerraram nesta sexta-feira o tratado de desarmamento nuclear INF, assinado no final da Guerra Fria, em uma decisão que reacende o medo de uma corrida armamentista entre as potências mundiais.

O Tratado de Armas Nucleares de Alcance Intermediário (INF, sigla em inglês) de 1987 limitava o uso de mísseis de alcance intermediário (500 a 5.500 km), tanto convencionais quanto nucleares.

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, anunciou a retirada formal de Washington em um comunicado em um fórum regional em Bangcoc, minutos após a Rússia ter declarado o fim do tratado.

Após o anúncio, o Pentágono informou que os Estados Unidos vão acelerar o desenvolvimento de novos mísseis terra-ar.

“Agora que nos retiramos, o Departamento da Defesa continuará plenamente com o desenvolvimento destes mísseis convencionais para lançamento terra-ar, como uma resposta prudente às ações da Rússia”, declarou o secretário da Defesa, Mark Esper.

O funcionário destacou que como os Estados Unidos cumpriram “escrupulosamente” suas obrigações com o tratado de 1987 até sua saída formal, “estes programas estão nas etapas iniciais”.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, avaliou que qualquer novo tratado para deter o desenvolvimento de mísseis nucleares deverá incluir a China, além da Rússia.

“Realmente queremos incluir a China em algum momento”, disse Trump a jornalistas. “Isto seria algo grandioso para o mundo”.

“A Rússia é a única responsável pelo fim do tratado”, disse Pompeo em um comunicado ao final de uma reunião de ministros das Relações Exteriores da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

Pouco antes do anúncio de Pompeo, o ministro russo das Relações Exteriores disse em Moscou que o tratado havia terminado “por iniciativa dos Estados Unidos”.

O vice-ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Riabkov, também pediu aos Estados Unidos que implementem uma moratória sobre a implantação de mísseis nucleares de alcance intermediário depois de deixar o INF.

Washington acusou a Rússia por anos de desenvolvimento de um novo tipo de míssil, o 9M729, alegando que violava o tratado, uma posição apoiada pela Otan.

O míssil em questão tem um alcance de cerca de 1.500 km, segundo a Otan. Mas Moscou garante que só pode percorrer 480 km.

Em reação ao fim do tratado, a Aliança Atlântica rejeitou nesta sexta-feira uma nova “corrida armamentista”.

“Nós não queremos uma nova corrida armamentista, mas vamos garantir que a nossa dissuasão seja credível” em face da implantação do novo sistema de mísseis russo, anunciou seu secretário-geral, Jens Stoltenberg.

“A Rússia não voltou a cumprir suas obrigações de forma total e verificável através da destruição de seu sistema de mísseis”, disse Pompeo, referindo-se ao míssil de cruzeiro 9M729.

No início do ano, a Casa Branca abriu um período de transição de seis meses para suspender sua participação no INF, que terminou nesta sexta.

Pouco depois, Moscou começou seu processo de retirada, e no mês passado o presidente russo, Vladimir Putin, suspendeu formalmente sua participação.

– “Nova era” –

Assinado em 1987 pelo então presidente americano Ronald Reagan e pelo líder soviético Mikhail Gorbachev, o tratado INF foi considerado a pedra angular da arquitetura global do controle de armas.

Para os Estados Unidos, o pacto deu a outros países – principalmente à China – uma carta branca para desenvolver seus próprios mísseis de longo alcance e acusou a Rússia de repetidas violações.

As tensões entre Pequim e Washington – especialmente ligadas a disputas comerciais e marítimas – concentraram as atenções da ASEAN esta semana em Bangcoc, onde Pompeo acelerou a estratégia “Indo-Pacífico” dos Estados Unidos para neutralizar a influência econômica e militar chinesa na Ásia.

Pompeo assegurou nesta sexta-feira que os Estados Unidos “estão em busca de uma nova era de controle de armas que vá além dos tratados bilaterais do passado” e pediu que Pequim participe das discussões.

“Os Estados Unidos conclamam a Rússia e a China a se unirem a nós nesta oportunidade para oferecer resultados reais de segurança a nossas nações e ao mundo inteiro”, disse ele.

O INF era visto como um dos dois principais acordos de armas entre Moscou e Washington. O outro é o novo tratado START, que mantém os arsenais nucleares dos dois países bem abaixo do pico da Guerra Fria.

Este pacto expira em 2021 e parece haver pouca vontade política por parte dos dois países em renová-lo.

A China rejeitou pedidos dos Estados Unidos para se juntar ao novo START no futuro.

burs-jv/apj/kma/fox/bc/mr

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!