CNI propõe transformação do piso mínimo do frete em tabela de referência – Exame

O setor industrial apresentou nesta terça-feira ao governo uma contraproposta sobre o tabelamento do frete. Em documento, assinado por 32 entidades, incluindo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o setor propõe a transformação do piso mínimo do frete em tabela referencial e não impositiva como é hoje.

Isso seria possível, esclarece a CNI em nota, a partir da construção de uma metodologia de cálculo que estabeleça parâmetros viáveis de negociação entre as partes para a definição do valor do frete.

As entidades também se comprometem, no documento, a estimular as contratações diretas entre embarcadores e caminhoneiros autônomos.

“As entidades continuam acreditando que o melhor cenário é um entendimento direto entre produtores e transportadores por meio de mecanismos de mercado”, afirma a CNI em nota.

Para a CNI, o tabelamento prejudicou os caminhoneiros autônomos, as empresas industriais e, principalmente, os consumidores.

Depois de suspender a tabela de preços mínimos de fretes rodoviários da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) que gerou protestos dos caminhoneiros, o governo reiniciou negociações com a categoria para rever a tabela.

As conversas sobre o tema continuam e, segundo o Ministério da Infraestrutura informou na semana passada, qualquer definição sobre a tabela será fruto da rodada de reuniões junto a caminhoneiros autônomos embarcadores e transportadores.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!