Desde o peronismo, Argentina só afunda, diz Paulo guedes – Exame

Neste domingo, chapa peronista formada por Alberto Fernández e a ex-presidente Cristina Kirchner ganharam primárias no país

Por Da Redação, com agências

access_time 12 ago 2019, 11h48

O ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, disse que desde que o movimento político peronista começou na Argentina, o país só afunda. A fala de Guedes veio após o resultados das eleições primárias no país, que aconteceram neste domingo, e indicam a fraqueza eleitoral do atual presidente, Maurício Macri.

“A Argentina já foi a sexta renda per capita do mundo e, desde o Peronismo, só afunda”, considerou Guedes.

Guedes fez os comentários ao defender uma política econômica liberal e a MP da Liberdade Econômica, com menos presença e regulação do estado.

“Os mesmos que impedem as reformas de acontecer ficam apontando para o desemprego atual. São 40 anos de desaforo, de dirigismo, atrasando o crescimento econômico”, afirmou Guedes. “O sindicalismo nasceu para preservar seus próprios benefícios em regimes de mercados fechados”, acrescentou.

Maurício Macri tem afinidades com o pensamento econômico liberal, linha econômica que o ministro Paulo Guedes também segue, e já recebeu apoio explícito do presidente Jair Bolsonaro.

Já a chapa vencedora das primárias, formada por Alberto Fernández e a ex-presidente Cristina Kirchner como vice, é considerada peronista.

Alberto Fernández obteve 47% do votos, uma vantagem de quase 15 pontos percentuais para Macri, da coalizão Juntos pela Mudança, que tinha 32% com 80% das urnas apuradas.

Apesar de criticar peronistas, Macri anunciou como vice de sua chapa o senador Miguel Ángel Pichetto, ex-aliado de Kirchner e um dos principais nomes do peronismo.

Macri tentou implementar medidas liberais, mas elas não funcionaram.  A economia do país encolheu 2,5% em 2018 e deve recuar mais 1,5% este ano, com a inflação na casa dos 40%.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!