Estou no governo porque presidente gosta de privatizar, diz Salim Mattar – Exame

Secretário especial de Desestatização reforçou que a meta da sua pasta é promover a abertura econômica do país

Por Da Redação, com Estadão Conteúdo

access_time 12 ago 2019, 17h36 – Publicado em 12 ago 2019, 17h01

O secretário especial de Desestatização, Desenvolvimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar, voltou a dizer nesta segunda-feira, 12, que o verdadeiro motivo de compor a equipe do governo federal é a vocação e inclinação do presidente da República, Jair Bolsonaro, em privatizar.

“O motivo de eu estar no governo é que o presidente gosta de privatizar“, disse Mattar ao participar da 20ª Conferência Anual Santander na capital paulista.

O secretário reforçou que a meta da sua pasta é levar o País na direção da abertura de sua economia e que, para isso, dentre todos os pontos da agenda liberal do atual governo, as privatizações serão levadas a cabo.

“Eu acho que governo não deve investir. Quem quer investir é o setor privado. Essa é a minha visão e não do Ministério da Economia”, disse o secretário.

Ele disse ainda que apesar de o ministro da Economia Paulo Guedes ter estimado em R$ 20 bilhões os recursos que poderiam se arrecadados com as privatizações, o potencial com as vendas totais dos ativos públicos é de R$ 990 bilhões e que para atingir os R$ 20 bilhões do governo só faltam 10%. Ou seja, R$ 2 bilhões.

BNDES

Mattar também disse que o governo Bolsonaro recebeu da gestão anterior um rombo de R$ 196 bilhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “Esse foi o Brasil que recebemos”, disse por várias vezes durante sua palestra sempre que citava um número.

De acordo com o secretário, a perda potencial dos bancos públicos com a Odebrecht é da ordem de R$ 27 bilhões e o rombo total recebido pela atual gestão do governo anterior é de R$ 440 bilhões.

“O Hospital Sara Kubitschek, que é uma referência, chegou a não ter nem gaze para atender os pacientes e o País com um rombo de R$ 440 bilhões”, disse o secretário, que argumenta que, com esse dinheiro, poderiam ser feitas muitas residências populares e leitos de hospitais.

Mattar disse ainda que a situação dos Correios se tornou insustentável e que o governo está estudando formas de privatizar a empresa. No entanto, preferiu não adiantar detalhes alegando, que por se tratar de um assunto polêmico, o governo está trabalhando “mineiramente”.

Sobre a reforma da Previdência, ele disse que está bem encaminhada e que o problema é que ela é “pessimamente administrada e assegura privilégios”.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!