Não Choramos por Ti, Argentina – Investing.com

Os quinze pontos na derrota de Macri das primárias é um sinal preocupante e importante para o fluxo de capital estrangeiro em um cenário de retomada gradual deste ciclo na América Latina.

Macri assumiu no passado recente com a promessa de debelar a inflação e adotar medidas liberalizantes na economia, tentando reverter os anos de desastre Kischnerista no país.

O problema foi que “faltou combinar com os russos”, ou seja, com o congresso argentino, onde Macri sofreu sucessivas derrotas e pouco implantou do seu dito “plano liberal”, tendo feito poucas privatizações como Arsat, que não foram suficientes para reverter o caos fiscal do país.

A Argentina tem uma série de estatais, como a Aerolineas Argentinas, estatizada em 2008 e até mesmo o futebol tem o dedo do estado, com os clubes sendo “asociaciones profesionales” e não são exatamente empresas privadas.

Neste período, a dificuldade de Macri implantar a série de medidas necessárias trouxe até a dúvida se ele era realmente um liberal ou se havia se rendido ao clientelismo típico de nosso país vizinho.

Ainda assim, o pouco que estava em andamento na agenda era considerado positivo por alguns investidores e o fluxo de capital era relativamente positivo.

Neste primeiro momento, o Brasil está longe de uma comparação by proxy com a Argentina, principalmente se notarmos, com as devidas ressalvas, o caráter reformista deste congresso, tanto o renovado, quanto o que veio com tal ímpeto do mandato anterior.

Mesmo assim, dada a sensibilidade do contexto internacional com a guerra comercial e com os movimentos de preventivos de política monetária, além da falta de tração na economia global, esta derrota de difícil reversão para Macri é mais um elemento negativo para a região.

Neste momento, o mundo continua pressionado pela preocupação de que a disputa comercial entre Washington e Pequim possa levar o mundo e a economia dos EUA à recessão.

Hoje, novamente, o Banco do Povo da China (PBOC) estabeleceu seu ponto médio diário para o comércio do yuan em 7,0211 por , mais fraco que no fim da semana passada.

A semana tem foco numa agenda repleta de inflações no exterior e localmente, balanços corporativos, inflações e atividade econômica, além da atenção aos desenvolvimentos da guerra comercial entre EUA e China e dos protestos crescentes em Hong Kong.

Na agenda corporativa, destacam-se Magazine Luiza (SA:), Rumo (SA:), Cosan (SA:), Banco Inter (SA:), Eletrobrás, Itaúsa (SA:), Estácio (SA:) e Hermes Pardini (SA:).

No exterior, Cisco.

ABERTURA DE MERCADOS
A abertura na Europa é negativa e os futuros NY abrem em queda, com a intervenção chinesa no câmbio.

Na Ásia, o fechamento foi positivo, com expectativa pela guerra comercial.

O dólar opera em alta contra a maioria das divisas, enquanto os Treasuries operam negativos em todos os vencimentos.

Entre as commodities metálicas, altas, exceção ao cobre e min. de ferro.

O abre em queda, com temores pelo crescimento global.

O índice de volatilidade abre em alta de 11,13%

CÂMBIO
Dólar à vista : R$ 3,9425 / 0,60 %
Euro / Dólar : US$ 1,12 / -0,054%
Dólar / Yen : ¥ 105,18 / -0,483%
Libra / Dólar : US$ 1,21 / 0,374%
Dólar Fut. (1 m) : 3950,29 / 0,43 %

JUROS FUTUROS (DI)
DI – Julho 20: 5,30 % aa (-0,12%)
DI – Janeiro 21: 5,39 % aa (-0,19%)
DI – Janeiro 23: 6,35 % aa (0,16%)
DI – Janeiro 25: 6,85 % aa (0,29%)

BOLSAS DE VALORES
FECHAMENTO
: -0,11% / 103.996 pontos
: -0,34% / 26.287 pontos
: -1,00% / 7.959 pontos

: 0,44% / 20.685 pontos
: -0,44% / 25.825 pontos
: 0,09% / 6.590 pontos

ABERTURA
: -0,142% / 11677,15 pontos
: -0,381% / 5307,64 pontos
FTSE: -0,255% / 7235,36 pontos

Ibov. Fut.: -0,33% / 103961,00 pontos
S&P Fut.: -0,541% / 2903,90 pontos
Nasdaq Fut.: -0,813% / 7598,00 pontos

COMMODITIES
Índice Bloomberg: -0,37% / 77,08 ptos

Petróleo WTI: -1,65% / $53,60
:-0,82% / $58,05

: 0,52% / $1.504,69
: -3,86% / $93,61

: 0,79% / $15,34
: -0,73% / $407,25
: -0,51% / $96,80
: -0,17% / $11,85

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!