Governo da Argentina aprova empréstimo de US$ 500 mi do Banco Mundial – Exame

Objetivo é financiar políticas de desenvolvimento da inclusão social no país

Por EFE

access_time 13 ago 2019, 12h10

Buenos Aires — O governo da Argentina aprovou nesta terça-feira o contrato de empréstimo de US$ 500 milhões (R$ 2 bilhões) que o Banco Mundial (BM) autorizou no mês passado e que será assinado nos próximos dias, com o objetivo de financiar políticas de desenvolvimento da inclusão social no país.

A informação foi publicada hoje em Diário Oficial. O Ministério da Fazenda ficará responsável de executar os projetos e administrar a utilização dos recursos.

O governo informou que a meta é reforçar as bases para o crescimento econômico liderado pelo setor privado, reforçar as redes de seguridade social e melhorar a igualdade fiscal.

O programa do Banco Mundial pretende contribuir através de medidas que melhorem a concorrência, diminuam as barreiras comerciais, facilitem o registro de novas empresas, fomentem o desenvolvimento dos mercados de capital e promovam o investimento privado em energias renováveis.

 

A proposta visa gerar ações que contribuam para o fortalecimento do sistema de proteção social e melhorem a igualdade fiscal, visando proteger os setores mais vulneráveis da população, mantendo a despesa com assistência social e destinando, caso necessário, recursos adicionais aos programas que sejam mais efetivos.

O empréstimo de US$ 500 milhões tem juros variáveis e é reembolsável em 32 anos, contando com período de carência de sete anos. O acordo foi aprovado pelo Banco Mundial no há pouco mais de um mês.

O diretor do BM para a Argentina, Paraguai e Uruguai, Jesko Hentschel, afirmou no mês passado que a ajuda financeira pretende proteger as famílias mais vulneráveis e reduzir os impactos da inflação e seguir apoiando os esforços para garantir os serviços de saúde de forma igual.

A aprovação do contrato pelo governo argentino aconteceu dois dias depois da derrota do presidente Mauricio Macri nas eleições primárias presidenciais, e um dia depois a um dia turbulento na Bolsa de Valores local e de queda do peso.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!