Soja: Negociações do Grão Ocorreram em Ritmo Lento em Julho – Investing.com

As negociações de em grão ocorreram em ritmo lento em julho, tanto no mercado spot quanto para contratos a termo. Vendedores estiveram atentos ao cumprimento de contratos, que foram fechados a preços maiores e, como já comercializaram boa parte da safra 2018/19, não demonstraram interesse em novos negócios. Quanto à temporada 2019/20, compradores demonstraram mais interesse nas aquisições, mas encontraram vendedores retraídos. Outro fator que afastou vendedores do mercado foi a desvalorização do , contexto que deixou o mercado interno remunerando mais que o externo.

Boa parte dos agentes manteve a atenção voltada aos embarques de , que, em julho, somaram 6,31 milhões de toneladas, um recorde para o mês. Esse cenário elevou os fretes rodoviários e, consequentemente, a disputa por caminhões, reduzindo o volume de embarcado. Quanto aos embarques da oleaginosa, somaram 7,8 milhões de toneladas em julho, segundo dados da Secex, 13,7% abaixo do registrado em junho/19 e 23,3% menor que o de julho/18. No acumulado de 2019, o volume totaliza 54,1 milhões de toneladas, 4,3% inferior ao do mesmo período de 2018.

Nesse cenário, se comparadas as médias de junho e julho, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa da Paranaguá (PR) registrou queda de 3,8%, e o Indicador CEPEA/ESALQ Paraná recuou 3,3%, com médias de R$ 78,82/sc de 60 kg e R$ 73,78/sc de 60 kg em julho. No mesmo comparativo, o se desvalorizou 2,1%, com média de R$ 3,7793. Na média das regiões acompanhadas pelo Cepea, as cotações da oleaginosa recuaram expressivos 3,6% no mercado de balcão (preço pago ao produtor) e 2,9% no de lotes (negociações entre empresas) entre junho e julho.

Em relação aos derivados, os preços do farelo de recuaram fortes 5,3% na média das regiões acompanhadas pelo Cepea de um mês para o outro. Para o , na cidade de São Paulo (com 12% de ICMS), houve queda de 0,7% no mesmo comparativo, com média de R$ 2.724,45/tonelada em julho.

Compradores do farelo de que tipicamente adquirem volumes maiores se mostraram abastecidos, e aqueles com necessidade de repor estoques adquiriram apenas pequenos lotes para consumo imediato. Segundo colaboradores do Cepea, a demanda pelo farelo de soja está reduzida e há casos em tem sido feita a substituição por farelo de algodão e polpa cítrica. Devido ao baixo ritmo de comercialização dos derivados, indústrias sinalizam que estão reduzindo – ou irão paralisar – a moagem, trabalhando apenas com o que possuem em estoque.

Na CME Group (Bolsa de Chicago), entre junho e julho, o contrato de primeiro vencimento da recuou 0,4%, a US$ 8,8578/bushel (US$ 19,53/sc de 60 kg) no último mês. No mesmo comparativo, o contrato de mesmo vencimento do farelo de soja recuou 3,6%, a US$ 306,40/tonelada curta (US$ 337,74/t). Quanto ao , houve alta de 0,5%, a US$ 0,28/lp (US$ 617,24/t).

O recuo dos futuros é resultado da demanda enfraquecida pelo grão norte-americano e dos altos estoques no país. Dados do USDA, que apontaram cancelamento de vendas dos Estados Unidos para a China, também pressionaram os valores.

A leve melhora nas lavouras norte-americanas também influenciou a queda das cotações. No relatório semanal de acompanhamento de safra, o USDA apontou que, até o dia 4 de agosto, 54% das lavouras estavam em boas e ótimas condições, 33%, em médias e 13%, em situação ruim ou muito ruim. Do total da área semeada, 72% floresceram, contra 91% no ano anterior.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!