Investimento estrangeiro na América Latina volta a crescer depois de 5 anos Por EFE – Investing.com

© Reuters. Investimento estrangeiro na América Latina volta a crescer depois de 5 anos

Gerard Soler.

Santiago, 14 ago (EFE).- O investimento estrangeiro direto (IED) na América Latina quebrou em 2018 uma tendência mundial e também uma sequência de cinco anos consecutivos de redução e registrou um aumento de 13,2%, chegando a US$ 184,28 bilhões, informou nesta quarta-feira a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal).

Em um cenário global abalado pelas políticas de austeridade e as restrições ao comércio nas principais potências econômicas, a América Latina conseguiu se descolar em 2018 dos números de investimento estrangeiro negativo dos últimos cinco anos graças aos fluxos de IED que chegaram a Brasil e México.

Ao apresentar o relatório sobre o IED na região, em Santiago, no Chile, a secretária executiva da Cepal, Alicia Bárcena, elogiou a recuperação desses indicadores, mas lembrou que ainda estão longe dos US$ 213 bilhões registrados em 2012, em pleno auge do preço das matérias-primas.

O documento aponta que houve uma queda de 20% na entrada de capital, considerado o principal indicador do investimento, porque simboliza o interesse das empresas em se instalar nos países da região.

Os componentes que reforçaram o investimento estrangeiro em 2018 foram o reinvestimento de utilidades, que aumentou 16% e respondeu por cerca de US$ 61 bilhões de todo o IED, e os empréstimos entre companhias, que subiram 138% e responderam por aproximadamente US$ 52 bilhões.

Bárcena explicou que o reinvestimento de lucro é um “símbolo de confiança” no lugar que recebe os investimentos e indicou que os dois países que mais se destacaram neste aspecto foram Brasil e Chile.

Em relação aos empréstimos entre empresas, a secretária executiva disse considerá-los o componente mais volátil do IED e avaliou que, muitas vezes, é difícil interpretar a finalidade dessas operações. Uma possibilidade, de acordo com ela, é que sirvam para ajudar empresas que passam por apertos econômicos, como aconteceu no Brasil, onde algumas companhias receberam empréstimos de filiais no exterior.

O relatório da Cepal mostra ainda uma grande heterogeneidade na América Latina. Na região, o investimento estrangeiro aumentou em 16 países em relação a 2017, porém diminuiu em outros 15. Além disso, boa parte do aumento do IED em 2018 se deveu a uma maior entrada de investimentos no Brasil, que concentra 48% do total, e no México, que acumula 20%.

No Brasil, o investimento estrangeiro chegou a US$ 88,31 bilhões, 25,7% a mais que em 2017, e no México foi de US$ 36,87 bilhões, o que representa uma alta anual de 15,2%, segundo a Cepal. Em seguida nesta classificação aparecem Argentina (US$ 11,87 bilhões e aumento de 3,1%), Colômbia (US$ 11,35 bilhões e queda de 18%), Panamá (US$ 6,57 bilhões e aumento de 36,3%) e Peru (US$ 6,48 bilhões e queda de 5,4%).

Já na América Central, o IED registrou um aumento anual de 9,4% graças aos investimentos recebidos pelo Panamá (US$ 6,57 bilhões e aumento de 36,3% em comparação com o resultado de 2017).

No Caribe, os fluxos de investimento estrangeiro caíram 11,4% devido à queda de 29% na República Dominicana, país da região que mais recebe capital estrangeiro.

Quanto à origem dos investimentos, a Cepal destacou que, em 2018, foi mantida a tendência dos últimos anos, e os principais fluxos de IED procederam de Europa, Estados Unidos e China.

Para 2019, a Cepal calcula uma leve diminuição de 0,8% do investimento estrangeiro na América Latina, apesar dos números positivos obtidos no primeiro trimestre do ano.

De acordo com a previsão da entidade, a queda do IED será mais acentuada no Brasil, podendo chegar a 15%. Já a estimativa para o México é otimista, de um aumento de 2,5%.

Bárcena ainda recomendou aos países latino-americanos destinar políticas para atrair investimentos estrangeiros de qualidade e não pensar somente em aumentar os valores investidos.

“As políticas devem ser dirigidas a trazer IED de qualidade, em energias renováveis, onde haja conhecimento, setores que aumentem a produtividade e o emprego e onde se possa avançar rumo a um consumo sustentável”, declarou.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!