Por que os paulistas são alvos favoritos dos hackers? – Isto É

Se você é paulista, saiba que está na mira de hackers. Um levantamento inédito realizado pela Konduto, empresa de antifraude para pagamentos online, identificou que 40% dos ataques no e-commerce do Brasil em 2018 aconteceram no Estado de São Paulo. Na sequência aparecem Rio de Janeiro, com 9,77%, Minas Gerais (8,15%) e Bahia (5,36%). A explicação para isso é que a economia paulista responde por quase 40% do PIB brasileiro. Por razões matemáticas, os consumidores de São Paulo são os que mais compram e, por outro lado, as empresas paulistas são as que mais vendem.

Para chegar ao resultado, a primeira edição do “Censo da Fraude” considerou as tentativas dos hackers, e não necessariamente as invasões que foram confirmadas. Normalmente, as próprias operadoras de cartão de crédito usam sistemas de inteligência artificial para conseguir barrar as transações suspeitas antes da aprovação do pagamento. Ainda de acordo com o estudo, ao considerar o número de compras suspeitas em relação ao total de pedidos recebidos em todo o País, o índice de tentativas fraudulentas no ano passado foi de 2,2%. Uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira, no entanto, mostra que a realidade pode ser mais caótica do que parece.

Segundo dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), 46% dos brasileiros foram vítimas de algum tipo de golpe financeiro nos últimos 12 meses, o equivalente a 12,1 milhões de pessoas. Levando em consideração os canais mais comuns para esse tipo de crime, as lojas online lideram as ocorrências (54%). Na sequência aparecem os bancos (9%), as lojas físicas pequenas (8%), as lojas físicas de grande porte (8%) e as financeiras (6%). Os prejuízos gerados pelas fraudes equivalem a R$ 1,8 bilhão em apenas um ano.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!