Indeal: Justiça manda soltar últimos dois presos em caso de fraude com criptomoedas – Portal do Bitcoin

A Justiça Rio Grande do Sul mandou soltar mais dois sócios da Indeal, empresa de Novo Hamburgo (RS) investigada por fraude financeira, na quarta-feira (14). Régis Lippert Fernandes e Francisco Daniel Lima de Freitas foram os últimos, dos dez presos em maio na Operação Egypto, a serem liberados.

As prisões preventivas foram revogadas pelo juiz da 7ª Vara Federal de Porto Alegre, Guilherme Beltrami. Segundo o Gaúcha ZH, eles terão que entregar seus passaportes porque foram liberados com restrições e não podem deixar o país e nem ter contato com testemunhas ou demais investigados.

Na sexta-feira (09), Angelo Ventura da Silva e Marcos Antônio Fagundes também haviam sido beneficiados por meio de uma liminar concedida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) após o órgão apreciar um habeas corpus (pedido de liberdade).

Decisão beneficia réus da Indeal

De acordo com o jornal, a decisão também beneficia os demais réus que ainda estavam com privação de liberdade, como prisão domiciliar ou uso de tornozeleira eletrônica.

O Ministério Público Federal (MPF) disse que a situação deles não é considerada diferente de Silva e Fagundes, beneficiados com o habeas corpus. Eles e mais 13 pessoas viraram réus após a Justiça Federal aceitar a denúncia em 24 de julho.

“Acolho a promoção ministerial, uma vez que, na condição de titular da persecução criminal, o Ministério Público considerou que as condições pessoais de KARIM DENISE HOMEM, FERNANDA DE CÁSSIA RIBEIRO, NEIDA BERNADETE DA SILVA, FLÁVIO GOMES DE FIGUEIREDO, PAULO HENRIQUE GODOI FAGUNDES, RÉGIS LIPPERT FERNANDES e FRANCISCO DANIEL LIMA DE FREITAS não se distinguem nem são mais gravosas daquelas de ÂNGELO VENTURA DA SILVA e MARCOS ANTÔNIO FAGUNDES, esses beneficiados com liminar em habeas corpus em tramitação no STJ, revogando a prisão preventiva sem a imposição da medida cautelar de monitoramento eletrônico”, diz um trecho da decisão judicial publicado pelo Gaúcha ZH.

No despacho, teria sido esquecido o nome da única mulher sócia, Tássia Fernanda da paz, que obteve habeas corpus no fim de julho por meio de pagamento de fiança, conforme publicou o Jornal NH.

19 suspeitos e 15 indiciados

À princípio, o total de acusados era 19, mas apenas 15 suspeitos foram oficiados — a Justiça recusou a denúncia contra duas mulheres. O órgão entendeu que elas não se enquadravam nos crimes descritos.

De acordo com o Gaúcha ZH, a Justiça vai apurar as seguintes práticas de crimes:

Organização criminosa, operação de instituição financeira sem autorização legal, evasão de divisas, gestão fraudulenta de instituição financeira, apropriação e desvio de valores de instituição financeira e emissão e comercialização de títulos e valores mobiliários.

Indeal não tem dinheiro para todos

No final de julho, o Ministério Público Federal (MPF) disse que o ressarcimento a clientes da Indeal a partir dos valores que foram bloqueados da empresa só deve acontecer após o final do processo. Porém, o cálculo é de que não há dinheiro para todos:

“Os valores da empresa que foram bloqueados por ordem da Justiça Federal não são suficientes para o pagamento dos investidores”, afirmou a Procuradoria da República no Rio Grande do Sul em nota enviada ao Portal do Bitcoin.

Dias antes, vários clientes da Indeal realizaram uma manifestação de apoio à empresa na sede da Justiça Federal, Porto Alegre (RS) onde entregaram um abaixo-assinado pedindo a liberação do pagamento.

Caso Indeal

A Indeal captava recursos para investimento em criptomoedas e prometia ganhos de até 15%, sendo que no primeiro mês essa porcentagem era declarada como garantida. Isso ocorria desde 2017.

O negócio chamou a atenção da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que proibiu a empresa de operar e a Polícia Federal deflagrou a Operação Egypt que cumpriu mandados de prisão e apreensão em maio deste ano.

R$ 1 bilhão investido

Cerca de R$ 1 bilhão pode ter sido captado pelo grupo investigado. Segundo a PF, alguns sócios apresentaram uma evolução patrimonial descomunal — teve sócio que passou de menos de R$ 100 mil para dezenas de milhões de reais em cerca de um ano.

A empresa deixou então um rombo de R$ 300 milhões e milhares de pessoas de vários estados brasileiros foram prejudicadas, segundo auditoria realizada pelas autoridades.


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

O post Indeal: Justiça manda soltar últimos dois presos em caso de fraude com criptomoedas apareceu primeiro em Portal do Bitcoin.

Fonte Oficial: Portal do Bitcoin.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!