Ministro da Fazenda da Argentina renuncia por caos pós-eleitoral – Exame

Nicolás Dujovne deixa o cargo em meio a um aprofundamento da crise econômica no país, após as eleições primárias que deram duro golpe a Macri

Por EFE e AFP

access_time 17 ago 2019, 22h52 – Publicado em 17 ago 2019, 22h46

Buenos Aires – O ministro da Fazenda da Argentina, Nicolás Dujovne, apresentou neste sábado a renúncia depois do terremoto financeiro ocorrido nos mercados locais na última semana, em uma reação adversa dos investidores à derrota da chapa do presidente Mauricio Macri nas primárias do último domingo.

Fontes do Governo confirmaram à Agência Efe que Dujovne apresentou a renúncia em carta dirigida a Macri, que já escolheu o substituto. Será o chefe de Economia do governo da província de Buenos Aires, Hernán Lacunza.

“Em virtude das circunstâncias, a gestão de Macri precisa de uma renovação significativa na área econômica. Considero que minha renuncia é coerente com a filiação a um Governo e espaço político que escuta o povo e que atua em consequência disso”, declarou Dujovne na carta.

O agora ex-ministro, que estava à frente da pasta desde janeiro de 2017, não fez aparições públicas desde o início da nova crise financeira, desencadeada pelo resultado das primárias.

Alberto Fernández, que tem a ex-presidente Cristina Kirchner como candidata a vice na coalizão Frente de Todos, venceu Macri com uma diferença de 15 pontos percentuais. Em decorrência disso, a bolsa de Buenos Aires teve uma série de quedas, enquanto o preço do dólar, antes na casa dos 40 pesos argentinos, superou os 60 pesos.

“Houve conquistas na redução do déficit e do gasto público, na redução de impostos nas províncias, em recuperar o federalismo. Sem dúvida, cometemos erros, que nunca duvidamos em reconhecer e fizemos todo o possível para corrigir”, avaliou Dujovne.

A imprensa local dava conta desde a última quinta de rumores sobre uma iminente saída do ministro, que ocupou o cargo em um momento complexo para a economia argentina.

O jornal Clarín, o de maior circulação no país, lembrou neste sábado que Lacunza, o novo ministro, foi funcionário de vários governos, inclusive o comandado por Cristina Kirchner, e foi economista-chefe e gerente-geral do Banco Central da República Argentina (BCRA).

Trata-se do primeiro anúncio de uma mudança no gabinete de Macri após o resultado esmagador das eleições

Após um crescimento de 2,7% em 2017, houve recessão na Argentina a partir de abril de 2018, com uma sucessão de altas no preço do dólar, o que rapidamente contagiou todos os setores da atividade.

“Espero que o nosso querido país possa finalmente reverter um rumo de décadas de fracassos e alcançar o objetivo do desenvolvimento econômico e da eliminação de pobreza”, escreveu Dujovne.

No meio da crise, Dujovne negociou e selou com o Fundo Monetário Internacional (FMI) um acordo de três anos para um auxílio financeiro de US$ 56,3 bilhões, sob o compromisso de um forte ajuste fiscal.

O PIB caiu 2,5% em 2018 e, de acordo com os últimos dados oficiais disponíveis, a atividade econômica acumulou nos primeiros cinco meses do ano uma queda anualizada de 3,1%.

A recessão vem combinada com uma alta inflação, de 47% em 2018, com uma subida acumulada nos primeiros sete meses deste ano de 25,1% e que os analistas apontam que poderia rondar os 50% neste ano, a partir da instabilidade ocorrida nos últimos dias.

Na visão de especialistas e de boa parte do espectro político, esse cenário de recessão e inflação, com índices de pobreza e desemprego em alta, influenciaram em grande medida no revés eleitoral sofrido por Macri, que tentará a reeleição em 27 de outubro. EFE

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!