Algodão: Cotação da Pluma Seguiu em Queda em Julho Mesmo com Baixa Disponibilidade – Investing.com

MERCADO INTERNO – Mesmo com a baixa disponibilidade interna, a cotação do algodão em pluma seguiu em queda em julho, mantendo fraco o ritmo das negociações. Agentes indicaram atraso na colheita da safra 2018/19 – e consequentemente no beneficiamento –, devido a chuvas em meados de maio e ao clima um pouco mais frio em algumas localidades de Mato Grosso e da Bahia. Entre 28 de junho e 31 de julho, o Indicador do algodão em pluma CEPEA/ESALQ, com pagamento em 8 dias, recuou 7,7%, fechando a R$ 2,5065/lp no dia 31. A média mensal de julho, de R$ 2,6244/lp, foi a menor desde abril/15, sendo 6,1% inferior à de junho/19 e 27,33% abaixo da de julho/18, em termos reais (valores atualizados pelo IGP-DI de junho/19). Do lado vendedor, agentes se voltaram à colheita, ao beneficiamento e à entrega de contratos firmados anteriormente. Dados do Imea (Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária) divulgados no dia 2 de agosto indicam que a colheita em Mato Grosso estava em 36,04% da área total estimada (1,072 milhão de hectares), avanço de 10,68 pontos percentuais frente ao dia 26 de julho, acima dos 25,62% do mesmo período da safra 2017/18, mas inferior à média dos últimos cinco anos, de 38,59%.

Compradores, por sua vez, entraram no spot apenas para aquisições pontuais e para pequenas reposições, ofertando valores inferiores a cada semana, no intuito de realizar embarques de produto contratado. Algumas empresas seguiram trabalhando com o estoque de pluma. Comerciantes tentaram realizar novos fechamentos “casados”, mas as disparidades de preço e de qualidade entre os agentes ativos dificultaram as efetivações. A comercialização para entrega futura, por sua vez, também esteve lenta ao longo de julho. Boa parte dos negócios destinados à exportação foi firmada com base nos contratos na Bolsa de Nova York (ICE Futures). Já para o mercado doméstico, foram captados fechamentos a preços fixos (Real ou em ) e/ou a fixar (Indicador ou Bolsa de Nova York) envolvendo a pluma tanto da safra 2018/19 como da 2019/20. De acordo com dados da BBM (Bolsa Brasileira de Mercadorias) tabulados pelo Cepea, 74,7% da safra brasileira 2017/18, estimada em 2,005 milhões de toneladas, teria sido comercializada até o dia 31 de julho. Deste total, 58,2% foram direcionados ao mercado interno, 31,5%, ao externo e 10,3%, para contratos flex (exportação com opção para mercado interno). Para a próxima temporada, dados indicam que ao menos 36% da produção de 2018/19 (projetada em 2,665 milhões de toneladas pela Conab) foi comercializada no mesmo período, sendo 46,3% ao mercado doméstico, 35,6%, para exportação e 18,1%, para contratos flex. Dados do Cepea captados em julho/19 indicam que as negociações para embarque ao mercado externo no segundo semestre de 2019 (do produto a ser colhido na temporada 2018/19) tiveram média de US$ 0,6734/lp, ficando 2,15% acima do registrado em junho/19 (US$ 0,6593/lp). Para exportação envolvendo a pluma da temporada 2019/20, a média das informações captadas para o segundo semestre de 2020 foi de US$ 0,6753/lp em julho, alta de 0,48% frente à do mês anterior (US$ 0,6721/lp).

PARIDADES – A média do Indicador em julho ficou 6,4% superior à da paridade de exportação. A média mensal de julho/19 do Indicador com pagamento à vista em ficou em US$ 0,6904/lp, 8,7% inferior à média do Índice Cotlook A (de US$ 0,7563/lp) e 9,72% acima da média do primeiro vencimento da Bolsa de Nova York (de US$ 0,6292/lp). De 28 de junho a 31 de julho de 2019, a paridade de exportação na condição FAS (Free Alongside Ship), porto de Paranaguá (PR), caiu 3,13%, pressionada pela baixa de 2,07% do Índice Cotlook A (referente à pluma posta no Extremo Oriente) e pela desvalorização de 0,99% do dólar. A média mensal da paridade foi de R$ 2,4668/lp, quedas de 5,01% em relação à do mês anterior e de 22,6% frente à de julho/18 (R$ 3,1871/lp). No mesmo período, a média do Índice Cotlook A recuou 2,81% frente à de junho/19 e 21,2% se comparada à de julho/18. Na comparação mensal, o dólar se desvalorizou 2,12% e na anual, 1,24%.

MERCADO EXTERNO – Em julho, os contratos na Bolsa de Nova York registraram queda, influenciados pela expectativa de boa oferta global e por estoques maiores dos Estados Unidos. Ainda, houve melhora nas condições das lavouras norte-americanas e enfraquecimento da demanda, influenciado pela alta do e pelo recuo do preço do no mercado internacional – ambos tendem a diminuir a competitividade do algodão. Relatório do Icac, divulgado no dia 1º de agosto, estima que a produção mundial 2019/20 deverá atingir 27,2 milhões de toneladas, 6% acima da safra anterior. A China deve colher 5,9 milhões de toneladas e a Índia, 5,75 milhões de toneladas. A oferta da África Ocidental poderá atingir produção recorde de 1,3 milhão de toneladas. O consumo global deve crescer 1,7% na safra 2019/20, indo para 26,9 milhões de toneladas, ligeiramente menor que a oferta. O estoque mundial poderá atingir 18 milhões de toneladas.

EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO – Dados da Secex indicam que, em julho/19, foram embarcadas 46,95 mil toneladas da pluma, 24,2% inferior ao volume de junho/19 (de 61,9 mil toneladas) e expressivamente acima das 8,7 mil toneladas de julho/18 (+440,6%). Na parcial de 2019 (de janeiro a julho), o volume mais que dobrou frente ao mesmo período de 2018. O faturamento em julho foi de US$ 74,4 milhões, 28,1% menor do que o de junho/19, mas quase cinco vezes a mais que em julho/18 (US$ 16,1 milhões). O preço médio de julho ficou em US$ 0,7186/lp (ou de R$ 2,7159/lp), ou seja, 3,5% superior ao das negociações no mercado interno, mas 5,2% menor que o do mês anterior e 14,5% inferior ao de jul/18. A Secex aponta que as importações somaram 323,9 toneladas em julho/19, aumento de 39% frente ao volume de junho, mas queda de expressivos 95,9% no comparativo com julho/18 (4,02 mil toneladas). Após registrar queda por três meses consecutivos, o preço médio de importação, de US$ 1,1975/lp em julho/19, se elevou 42,2% se comparado ao de junho/19 e registrou alta de 48,5% sobre julho/18.

CAROÇO DE ALGODÃO – Com as intenções de venda e compra enfraquecidas, a comercialização de caroço de algodão no spot seguiu lenta ao longo de julho. Enquanto o vendedor ofertou poucos lotes da safra 2018/19 no spot, esmagadoras adquiriam quando havia necessidade imediata. Segundo informações captadas pelo Cepea, o preço médio do caroço no mercado spot em julho/19 foi de R$ 411,04/t em Primavera do Leste (MT), expressiva queda de 28,9% frente ao de junho/19. Em Lucas do Rio Verde (MT), o recuo foi de 27,3% (R$ 375,73/t) e, em Campo Novo do Parecis (MT), de 18,9% (R$ 385,10/t). Em Barreiras (BA), a queda no mesmo período foi de 8,3% (R$ 568,05/t). Em relação ao biodiesel no Brasil, a produção em junho/19 utilizou 0,39% do óleo de caroço de algodão como matéria-prima, segundo dados mais atuais da ANP (Agência Nacional do , Gás Natural e Combustível). No Centro-Oeste, o óleo de algodão representou 0,90% da produção de biodiesel na região. No mercado nacional, o permanece como a principal fonte do biocombustível, representando 75,52% da produção em junho, seguido pela gordura bovina com 9,17% (o menor valor desde janeiro/16) e por outros materiais graxos (8,96%).

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!