Dólar flerta com R$4,07 e bate máxima em 3 meses com dúvida sobre juros nos EUA Por Reuters – Investing.com

© Reuters. .

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar tornou a fechar em forte alta contra o real, para o maior nível em três meses, diante do fortalecimento global da divisa norte-americana em meio a mais dúvidas sobre novas quedas de juros nos Estados Unidos, movimento que poderia aumentar a oferta de moeda em países como o Brasil.

O dólar à vista teve alta de 1,60%, a 4,0677 reais na venda, maior nível de fechamento desde 20 de maio (4,10485 reais na venda).

Na máxima intradiária, a cotação foi aos 4,0760 reais.

A próxima resistência a ser rompida é 4,1000 reais, seguida pela máxima de maio (4,10485 reais). Deixados para trás esses níveis, a moeda caminharia para picos registrados em setembro, quando a divisa chegou a flertar com 4,20 reais, em meio à forte volatilidade antes das eleições presidenciais no Brasil.

Os mercados de câmbio de emergentes não conseguiram captar o bom humor visto nesta segunda nos mercados de ações, com o índice em alta de 1,21%, na esteira de esperanças de estímulos em países como China e Alemanha.

Segundo analistas, as moedas foram mais afetadas pelos riscos associados à política monetária nos Estados Unidos, com chances de o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) cortar os juros menos que o esperado uma vez que a economia dos EUA segue em melhor forma do que outras.

“(Recentes) Dados robustos de consumo e inflação nos EUA enfraqueceram a possibilidade de que o Fed vai cortar os juros preventivamente, mantendo o tema sobre inversão das curvas de juros, saídas de recursos de emergentes e mercados de ações mais fracos”, disseram estrategistas do Morgan Stanley (NYSE:) em nota a clientes.

O tom de dúvida sobre um Fed mais disposto a cortar os juros foi reforçado nesta tarde por comentários do presidente do Fed de Boston, Eric Rosengren, membro votante do Fomc.

Segundo Rosengren, não é porque outros países estão afrouxando suas políticas monetárias que os EUA também deveriam fazê-lo. Além disso, para ele, as condições monetárias já estão acomodatícias e a economia está em muito bom estado no momento.

Os mercados haviam golpeado o dólar entre meados de maio e de julho, confiantes na expectativa de que o Fed cortaria os juros de forma agressiva. Recentemente, o Fed reduziu a taxa básica, mas emitiu sinal mais “hawkish” que o esperado.

Desde 18 de julho, quando bateu a mínima recente (de 3,7293 reais), o dólar acumula valorização de 9,07%. O índice MSCI de moedas emergentes –que inclui uma série de divisas da Ásia, geralmente menos voláteis– recua cerca de 3,1% no período.

“Como de costume, o baixo apetite por ativos mais arriscados, como o real, continua a ser influenciado pela guerra comercial entre os Estados Unidos e a China e pelas crescentes preocupações com uma possível recessão global no horizonte”, disse Daniel Andrés Castaño, analista de mercado do IG, em Londres.

REAL BARATO?

O real acumula depreciação de 6,16% em agosto, o que deixa a moeda brasileira com a terceira maior queda entre mais de 30 pares do dólar neste mês, a despeito da aprovação da reforma da Previdência pela Câmara dos Deputados.

Para o Morgan Stanley, o real já está entre as moedas mais baratas do universo emergente. Os profissionais destacam ainda que as posições continuam amplamente negativas em relação à moeda doméstica, o que ao mesmo tempo piora a relação risco/retorno de se montar novas posições contrárias ao real.

“Ainda assim, preferimos expressar nossa visão (otimista) para o real ao confrontá-lo com outras divisas emergentes”, acrescentaram em nota.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!