Uma Espirituosa Teoria Econômica | Investing.com – Investing.com

O insípido idioma “economês” pode limitar a informação econômica, afastando-a de um alvo popular. E, não raramente, se esquiva de qualquer diagnóstico ou prognóstico explícito. Coisa difícil essa das previsões econômicas… Voltam-se facilmente contra quem as proferiu! Mas a comunicação também é um entretenimento para a mente. Ora pelas ideias que exprimem, ora pela purga irreverente de uma realidade inquietante. Alguma dose de descontração também é cabível diante dos dilemas econômicos atuais. Brincadeira não é pecado, ou já estaríamos condenados desde a infância. Alguém pleno de valor e convicto da própria natureza estará longe de se sentir ofendido, rancoroso ou vulnerável com qualquer fraseado buliçoso. Essas fraquezas são características daqueles mais preocupados com alguma imagem do que com a verdadeira essência. A obsessão pela reverência é o ônus da vaidade. E o melindre dos ofendidos expõe apenas as fissuras de sua fragilidade.

Direto ao ponto, explico que, ao usar termos relacionados à fé, não pretendo ironizar a espiritualidade de ninguém. Qualquer chacota é dirigida apenas aos eminentes politiburos econômicos que vêm se consolidando globalmente neste século XXI.

O capitalismo de livre mercado vem sendo sistematicamente substituído por um temeroso modelo de planejamento central. A meu ver, esse processo deixa a economia global cada vez mais refém de uma fantasia financeira insustentável. Os antigos regimes marxistas-leninistas já evidenciaram a fatal incompetência dessa presunção calamitosa. Contudo, essa arrogância ideológica ainda era discreta nas economias ocidentais mais dinâmicas. Se sempre existiu em um grau bem menor, passou agora a assumir dimensões surreais. E ameaçadoras para o próprio capitalismo!

Para quem não conhece o termo monetarismo, ele define uma teoria da economia voltada para os meios de pagamento. Esta enfatiza o papel de uma política monetária deliberada a fim de restaurar a estabilidade macroeconômica através da oferta de moeda e outros meios de pagamento. Essa oferta se traduz em emissão de moeda e expansão da base monetária. Economistas monetaristas entendem que os objetivos da política monetária são cumpridos de melhor maneira ao criar metas de aumento da oferta monetária, e não pelo engajamento em políticas monetárias discricionárias.

Na prática, o resultado caricato da teoria resumida acima talvez possa ser ilustrado pelos gráficos e comentários informais que partilhei com alguns colegas e amigos mais próximos. Volto a produzi-los aqui:

Em Setembro de 2008, quando o banco de investimento Lehman Brothers faliu, o endividamento total nos EUA já se aproximava dos 55 Trilhões de dólares. Com aquela terrível crise do subprime, oriunda de financiamentos desmedidos e créditos de baixa qualidade, seria de se esperar que essa libertinagem se redimisse… Mas os bancos centrais destilaram uma água benta inusitada contra tal moléstia. Se comparáveis sapiência e genialidade encontrassem paralelos no campo da oncologia, por exemplo, certamente já teriam implementado uma nova terapia contra o câncer de pulmão… Imagine então: ambulatórios tratando esses tumores com generosas quantidades de cigarros mais baratos!

A ciência econômica se curva diante dos desígnios da fé! Só assim pode se explicar a espiritual (ou espirituosa?) substância acadêmica da economia neoclássica e das teorias monetaristas! Graças ao planejamento central dos colegiados de ilustres pajés financeiros (com licença para matar aos poucos e devagarinho), aquele elevado nível de endividamento foi tratado com maiores injeções de dinheiro e crédito. Tudo a preço de saldos de liquidação! Com juros irrisórios e ainda mais convidativos para a alavancagem especulativa. Essa comunhão redentora entre a divina fé, a engenhosidade econômica e a volúpia financeira permitiu que, como um Lázaro ressuscitado, o passivo total dos financiamentos se erguesse novamente. Sua ressurreição ascendeu aos US$ 72 TRILHÕES DE DÓLARES, até Dezembro de 2018. E a Congregação Central da Fé Monetarista continua misericordiosa para com a libertinagem especulativa. Sua hóstia segue distribuída pelos clementes mercados financeiros, que elevam seus braços ao céu… Glória e Aleluia!

Pobre do pecador que, reticente da fé, deixou de contrair dívidas e não se alavancou na compra especulativa dos ativos financeiros subsidiados… Nem mesmo aderiu à luxúria do tabagismo!

O reino dos céus pertence aos que não abandonam a fé jamais! E o espirituoso banco central dos EUA se empenha na popularização dessa asserção redentora. Para multidões, que atualmente se curvam diante de smartphones, viciadas em mensagens curtas e rápidas, uma iniciativa monetarista semeada décadas atrás, após o ostracismo do padrão ouro da moeda, ganhou enorme conveniência! Resume, e capitaliza em prol de seu próprio marketing subliminar, toda a crença monoteísta e a verbosidade das escrituras sagradas. Estampada na face verde da hóstia de celulose está o apelo à nossa fé em letras garrafais: “IN GOD WE TRUST”, ou “EM DEUS NÓS CONFIAMOS!”

Assim, o próprio Criador Supremo foi recrutado pelas instituições do Banco Central e do Tesouro Nacional dos EUA como porta-bandeira da teoria e da atual política monetarista… Conseguindo muito maior prestígio que a contratação de qualquer estrela de Hollywood ou atleta famoso para embasar o seu produto!

Eu, particularmente, acho que a partir de 2008, com tanta criação de dinheiro, já deveriam ter pensado em expandir essa bela mensagem. Imaginei até um verso bíblico, talvez polivalente e já se dirigindo ao próprio dinheiro, ao credito financeiro, à formação de jovens famílias (que a longo prazo poderiam reverter a contração demográfica tão desafiante para nossa economia movida a consumo) ou até mesmo às bolhas especulativas… Algo como: “Crescei e multiplicai-vos!”

De fato, para a paz interior é imprescindível crer em um Ser Superior. O lastro da moeda fiduciária é a fé! (Se bem que, no caso dos EUA, sua indústria bélica representa uma garantia adicional, e menos questionável no ambiente internacional, já que a fé se distingue em diferentes contextos culturais!) A essência do papel moeda é comparável à roupa nova do imperador. Está nos olhos de quem a vê! Sem um coadjuvante voto de fé coletiva, ou o coercitivo poder do pentágono, sua natureza se mostraria ectoplásmica e etérea.

A dívida do setor corporativo americano, plotada acima, é uma testemunha desta fé! Essas beatas corporações e seus fíeis acionistas seguem ungidos por juros baixíssimos. A Congregação Central Da (Dí)Vida Eterna é benevolente, mostrando-se disposta a oferecer a outra face. Mesmo quando essa outra face pode muito provavelmente ser a da sociedade, em sua grande maioria!

Deus é grande. E, com convicção, eu vos digo: “Só Jesus salva!”

AMÉM!

Copyright © Sebastião Buck Tocalino

A bolsa estimula a cidadania!

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!