Racionalidade e Sinergia Estão Ausentes! Crise Global Afasta Fundamentos! – Investing.com

O conturbado cenário global onde relações construídas com grande empenho nas últimas décadas estão sendo postas à risco, o que representa ameaça concreta a evolução da globalização, muito pelo contrário pode ser um marco do retrocesso, não permite que se imagine relações causa-efeito tradicionalmente esperadas de certas atitudes e decisões.

Assim, quando se vê o Presidente Trump, na sua típica truculência, afrontar o Presidente do FED, Jerome Powell, como que exigindo que reduza a taxa de juro americana tendo como foco fragilizar globalmente a moeda americana, revitalizando a economia americana e afastando os riscos presentes de uma recessão, parece ser uma resultante lógica, mas, nos tempos atuais, poderá, se consumado, não promover a resultante esperada visto que a opção da segurança predomina sobre a da rentabilidade, então mesmo com juro mais baixo o dólar persistirá como uma das escolhas de segurança e assim se manterá fortalecido.

Da mesma forma, o Brasil, país emergente que como todos assemelhados sofre forte aversão ao risco consequente da crise global que colocou os investidores em posicionamento defensivo, acostumado a ser receptor de fluxos consideráveis de recursos externos quando da ocorrência de redução de juro nos Estados Unidos e que ainda cultiva, em parte, esta visão, não deve ter esta perspectiva ilusória neste momento, visto que o país está absolutamente sem atratividade visto à fragilidade de sua atividade econômica não ensejar oportunidades ao capital estrangeiro e nem mesmo o mercado de juro, dado o viés de baixa da SELIC, ser atraente face à proximidade do juro interno com o externo que inviabiliza o “carry trade”.

O governo brasileiro, a despeito da forte oposição de “todas” as naturezas, vem buscando avançar com as reformas imprescindíveis, embora lhe falte uma boa articulação política o que provoca embates desgastantes com elevada perda de foco e consequentes retardamentos, mas as reformas em andamento visam reordenar o país na questão fiscal, extremamente relevante, e, até onde se percebe aliviar a carga de procedimentos burocráticos de ordem tributária, mas que pode ter forte oposição quando sinaliza reavivar práticas tributárias nefastas e que devem ter atravancar e retardar as decisões, e, que sabidamente não deverão gerar recursos para o governo programar os investimentos estruturais fundamentais.

Por outro lado, a fonte geradora dos recursos para o governo poderá advir das privatizações que vem sendo pré-anunciadas e divulgadas ontem sem muito conteúdo e sem nada de concreto se prestando unicamente para movimentar as especulações na Bovespa, mas inquestionavelmente deverá ensejar embates nacionalistas, ideológicos e corporativistas de grande intensidade e com alta capacidade de retardar as decisões. A desestatização é absolutamente necessária e pode se tornar efetiva no longo prazo, sendo, contudo relevante que a crise global tenha arrefecido a aversão ao risco e o Brasil demonstre-se melhor, pois sem a participação do capital estrangeiro será árdua a sua consolidação, visto que os investidores nacionais tem a tradição de participarem com os recursos generosamente concedidos pelo BNDES e isto pode estar mudando, o que pode causar afastamento do interesse.

O setor produtivo sofre do desalento do convívio com expressiva capacidade ociosa instalada e estoques, mantendo-se relutante enquanto não houver ações do governo para geração de emprego, renda e consumo. Por enquanto, é mero assistente da cena letárgica da nossa economia.

O governo, descapitalizado, tenta alguns artifícios como liberação de parte do saldo do FGTS para a população, que, todavia, detém elevado nível de inadimplência e os efeitos poderão ser pífios. Por outro lado, na área da construção civil pode estar encontrando um trajeto que pode gerar empregos, renda e consumo, mas que é positivo, mas insuficientes para dinamizar em termos efetivos a atividade econômica.

Enfim, o Brasil tem necessidades e anseios de curto prazo e perspectivas efetivas somente de longo prazo, e este lapso de tempo pode determinar forte estagnação desalentadora.

Não havendo motivação para o capital estrangeiro fluir para o país, nem mesmo especulativamente, e sendo o capital nacional incapaz de por si só sustentar alta da BOVESPA até porque esta é carente de melhora considerável da atividade econômica e perspectivas de resultados, nos parecem ilusórias projeções otimistas que rondam o mercado em relação ao mercado acionário brasileiro.

O mercado de juro está muito estreito (taxa de juro interna versus taxa de juro externa) tende cada vez mais a se tornar pouco atrativo.

Então, a perspectiva efetiva é que tudo tende a ficar onde está ou piorar um pouco pela falta de perspectivas imediatas.

A Bovespa, pela volatilidade, sinaliza provável predominância de operações de day trade, validando a máxima que “não vivemos de juros mas sim de giro”.

O dólar deverá se manter no entorno de R$ 4,00, dada à situação conjuntural, mas é preciso esperar se a intervenção do BC com oferta de moeda efetiva no mercado à vista deixa-o mais líquido e tire a pressão sobre o custo do cupom cambial mitigando a ocorrência da disfuncionalidade no mercado de câmbio, com pressão sobre a formação do preço no mercado à vista que quando isto ocorre tende a superar a taxa do mercado futuro, no qual o BC também está intervindo com operações de swaps cambiais reversos.

Não se sabe evidentemente, neste momento, onde está o ponto de equilíbrio do volume necessário na oferta pelo BC para evitar a disfuncionalidade, por isso não se podem projetar quais os efeitos efetivos na eventualidade da interrupção da intervenção do BC após o dia 29.

Ontem, o BC deu início a intervenção com a oferta de US$ 550,0 MM no mercado à vista, dos quais colocou US$ 200,00 MM, na nossa percepção o resultado não expressa “falta de tomadores ou desinteresse”, mas sim preço, pois embora o foco do BC seja irrigar a liquidez, os tomadores nutrem expectativa de que ocorra natural efeito no preço e assim procurar se resguardar de eventuais prejuízos. Assim é o mercado, assim é o “jogo”, o ajuste acontecerá normalmente.

O BC sinalizou ter sido pressionado pelo mercado pela exigência de prêmio para o leilão casado de dólares à vista versus swaps cambiais reversos, mas que não tem a intenção de concordar com esta pressão.

Em contraposição vendeu 4.000 contratos de swaps cambiais reversos, que é derivativo e não moeda efetiva, mas tem um efeito técnico de “compra” no mercado futuro.

Destaque-se que o preço do real revelou apreciação frente ao dólar, mas não se pode atribuir o fato totalmente ao leilão do BC, visto as moedas emergentes em linha apresentaram comportamento semelhante.

O BC deverá ficar atento e preciso, perder a relativa “timidez” demonstrada no anúncio prévio da intervenção em curso, afinal as reservas cambiais existem para, também e sempre que necessário, ser fonte para inibir desequilíbrios nos fluxos do mercado de câmbio, como ocorre no presente, que podem causar disfuncionalidades.

O mercado de câmbio é muito complexo e vai muito além do “comprar e/ou vender” como determinante primário da formação do seu preço.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!