Com ‘dica’ do Planalto, governador do Acre pede a Macri avião contra incêndio – Isto É

O governador do Acre, Gladson Cameli (PP), começou a pedir ajuda a países sul-americanos para o combate às queimadas na Amazônia. Ele mandou ofícios a embaixadas e gabinetes de presidentes, entre eles o de Maurício Macri, da Argentina, a quem solicitou o empréstimo de um avião hidrante que integra o sistema nacional de combate ao fogo do país vizinho.

Hoje, a Secretaria de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Nação Argentina ofereceu ajuda aos governos do Brasil e da Bolívia, num esforço externo de luta contra as mudanças climáticas e pela conservação da biodiversidade, compromisso assumido no Acordo de Paris, informou o governo Macri.

Países europeus, como Irlanda e França, ameaçaram bloquear o Acordo do Mercosul com a União Europeia por causa do avanço das queimadas florestais na Amazônia, alegando que o Brasil descumpriu compromissos assumidos. O acordo entre os blocos é um trunfo da política externa alinhada de Macri e Bolsonaro. Há temor de prejuízo ao agronegócio sul-americano diante do lobby dos produtores rurais europeus.

A dica de pedir o avião, segundo o governador, veio da Casa Civil da Presidência da República. “A Argentina tem uma aeronave que tem o papel de bombeiro, quem comentou comigo foi a equipe do presidente. Se conseguirem mandar para nós, tanto para Acre, Amazonas e Rondônia, vai ser de extrema importância, vai facilitar nosso trabalho”, disse Cameli.

Cameli disse que vai tratar de ajuda e da situação das florestas com o presidente peruano, Martín Vizcarra, em audiência no dia 3 de setembro e que não descarta nem auxílio oferecido pelo regime chavista de Nicolás Maduro, na Venezuela. “Eu aceito tudo que venha de benefício para que a gente possa coibir essa situação de nossas florestas, o céu será o limite”.

Cameli disse que não falou ainda com o presidente Jair Bolsonaro, mas que tem mantido conversas com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Ele disse que “não interpretou mal” o presidente, mas que Bolsonaro se equivocou ao criticar o empenho dos governadores do Norte nos esforços para apagar os incêndios florestais. “Foi o calor do dia a dia, no stress que ele cometeu aquele equívoco”, afirmou à reportagem.

Nos bastidores, os governadores haviam ficado incomodados com a declaração de Bolsonaro, segundo quem havia “conivência” deles para “jogar a culpa” dos incêndios no governo federal. Ao longo do dia, eles conversaram entre si por telefone, no âmbito do consórcio formado, e avaliaram politicamente a decisão de aceitar a decretação de Garantia da Lei e da Ordem, por Bolsonaro, para o envio de militares das Forças Armadas.

Na prática, porém, cada Estado terá de enviar uma solicitação por escrito à Presidência. Partidário de Bolsonaro, o governador de Roraima, Antônio Denariun (PSL), se antecipou e foi o único a ir ao Planalto e negociar pessoalmente com o presidente o decreto. Segundo assessores dele, Denariun fez um gesto para trazer junto os demais governadores, já que Roraima está em período de chuvas e não tem uma das situações mais graves.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!