Justiça mantém bloqueio de bens dos acusados de fraude na saúde – Isto É

A 11a. Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio manteve o bloqueio de R$ 65 milhões sobre os bens de Miguel Iskin e Gustavo Estellita, acusados pelo desvio de verba da área de saúde. A Ação de Improbidade Administrativa foi proposta pela Procuradoria-Geral do Rio de Janeiro (PGE-RJ) depois que os dois réus entraram com recurso na tentativa de reverter a condenação inicial.

A Ação da PGE-RJ tem como base as acusações de cartelização e fraudes licitatórias, investigadas na Operação Fatura Exposta, que revelou um esquema organizado de corrupção dentro da Secretaria de Saúde (SES) do Estado. No processo, Miguel Skin e Gustavo Estellita são acusados da criação do sistema organizado que desviou verba, desde o início do governo Sérgio Cabral, em 2007.

De acordo com as informações do processo, o ex-secretário de Saúde, Sérgio Côrtes, teria implementado uma logística de desvio de valores quando foi diretor do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO). Segundo consta nos autos, ele direcionava contratações de material hospitalar para Miguel Skin e Gustavo Estellita, que beneficiavam diretamente todas as empresas ligadas a eles.

Importação

Na mesma ação, além dos 10% de propina, estão sendo apuradas fraudes sobre imposto de importação das contratações internacionais. No esquema ilegal, a Secretaria de Saúde, que tem imunidade tributária, se tornava importadora, em vez das empresas fornecedoras de insumos hospitalares.

Ação

A Ação de Improbidade Administrativa de indisponibilidade de bens e valores foi ajuizada, em 2018, pela Procuradoria Geral do Estado contra Miguel Skin, Gustavo Estellita, Sérgio Cabral, Sérgio Côrtes, Luiz Carlos Bezerra e as empresas Oscar Iskin e Cia. Ltda, Oscar Iskin Participações S.A. e Sheriff Serviços e Participações. Todos foram denunciados pela Operação Fatura Exposta por fraudes na saúde. A operação é um desdobramento das operações Calicute e Eficiência, que correm na 7a. Vara Federal Criminal do Rio.

Denúncia

O Ministério Público Federal (MPF) ofereceu denúncia no dia 16 de maio de 2017 contra Sérgio Cabral e outras seis pessoas investigadas na Operação Fatura Exposta. Todos são acusados de corrupção passiva e ativa e organização criminosa por irregularidades cometidas na Secretaria de Saúde entre 2007 e 2014.

Além do ex-governador, são acusados pela Força-tarefa da Lava Jato no César Romero, Carlos Miranda, Carlos Bezerra, Sérgio Côrtes, Miguel Iskin e Gustavo Estellita, por pagar ou receber propina para fraudar contratos da área de saúdes em valores que chegam a R$ 16 milhões.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!