“É preciso antes conhecer o que será regulado”, diz superintendente da CVM sobre blockchain – Portal do Bitcoin

“Receber de maneira mais amigável as inovações”, esse é o objetivo da Sandbox regulatória estabelecida pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na visão de Antonio Carlos Berwanger. O Superintendente de Desenvolvimento de Mercado palestrou na tarde de segunda-feira (26) no Blocktrends, evento da QR Capital foi sediado no Teatro XP investimentos, no Rio de Janeiro.

De acordo com Berwanger, a sandbox foi estabelecida para lidar com o perímetro regulatório. Ele disse que para criar uma regulação sobre tecnologia é necessário antes se compreender o que está acontecendo e é isso que a CVM tem procurado fazer:

“Se estabeleceu a sandbox para lidar com a incerteza quanto ao perímetro regulatório pelo qual uma atividade pode estar submetida, dificuldade em cumprir determinados requisitos regulatórios que foram pensados para participantes que estão mais consolidados no mercado”.

Ele falou que a Sandbox regulatória está sendo implementada de maneira bem ampla e que haverá em breve uma audiência pública organizada pelo órgão regulador para tratar desse tema.

De acordo com o superintendente de Desenvolvimento de Mercado da CVM, “qualquer pessoa jurídica que quiser testar um modelo de negócios inovador, cumprir determinados critérios de exigibilidade que serão regulamentados”.

A questão é que serão estabelecidos ciclos que irão desde a apresentação de projetos e a análise destes num primeiro momento. Apesar de Berwanger ter esclarecido que em sua palestra estaria apenas apresentando suas opiniões e não da CVM, ele revelou que o órgão está para criar um comitê para definir esses ciclos que deverão durar um ano.

Desafios para o Sandbox da CVM

O órgão teria como desafio dizer o que pode estar dentro de um modelo de negócio inovador. Berwanger disse que a ideia é analisar se os negócios apresentados tratam de uma tecnologia inovadora ou o uso dela no mercado.

De acordo com Berwanger, a Blockchain tem diversas aplicações no mercado de valores mobiliários pouco exploradas. “Tem muito campo para se avançar e se espera que o sandbox seja eficaz nisso”.

O sandbox regulatório, conforme explicou Berwanger será insumo para novas regulações. Ele afirmou que ele atua conferindo autorizações temporárias para que aquela atividade seja executada.

“O sandbox pode vir também com dispensas regulatórias de determinados requisitos e muito importante, as bordas da caixinha de areia que são os limites das condições e salvaguardas para se atuar”.

Berwanger, no entanto, falou que esse experimento regulatório terá via de mão dupla. Se por um lado o órgão passa a compreender o setor, sobre as atividades exercidas e os riscos inerentes a essas atividades, ele, por meio de seu comitê, também aconselhará empresas sobre aspectos legais.

“Importante mencionar que a CVM se estruturou para essas mudanças. Para o mercado ganho de eficiência e redução de custos e isso trará mais concorrência num ambiente seguro”.

Berwanger apesar de ter dito que essa iniciativa que é tomada por muitos órgãos reguladores do mundo inteiro servir para trazer ganho de eficiência, redução de custos, se criar políticas de controles internos e promover a inclusão financeira, há também o lado negativo.

Ele disse que existe o desafio sobre como lidar com esse processo seletivo. Segundo Berwanger, a CVM tem se preocupado muito com definição de critérios claros, mas com grau de subjetividade e isso pode trazer o risco de demandas judiciais de empresas que não serão selecionadas para participar desse experimento regulatório.

Leia também: Ainda não sabemos se o Bitcoin veio para ficar, diz ex-presidente do Banco Central

O post “É preciso antes conhecer o que será regulado”, diz superintendente da CVM sobre blockchain apareceu primeiro em Portal do Bitcoin.

Fonte Oficial: Portal do Bitcoin.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!