Sob críticas de senadores, Campos Neto defende Coaf no Banco Central – Exame

O presidente do Banco Central defende que a intenção não é politizar Coaf, mas “deixá-lo mais técnico”

Por Estadão Conteúdo

access_time 27 ago 2019, 19h07

Em meio a críticas de senadores, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, fez nesta terça-feira, 27, uma defesa da mudança do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Economia para o BC. Além disso, afirmou que a ideia de permitir que qualquer pessoa faça parte do conselho deliberativo do órgão foi dele – e não do governo de Jair Bolsonaro.

A medida provisória (MP) 893, editada na semana passada pelo governo Bolsonaro, muda o nome do Coaf para Unidade de Inteligência Financeira (UIF) e coloca o órgão dentro da estrutura do BC. Um dos pontos da MP criticados hoje pelos senadores é o que permite que o conselho deliberativo da UIF seja formado por qualquer cidadão com “reputação ilibada” e com conhecimentos em matéria de prevenção a crimes financeiros. O receio é de que permitir a nomeação de qualquer pessoa, e não apenas de servidores, possa aumentar a influência política sobre o novo Coaf. As nomeações ficarão a cargo do presidente do BC.

 

“A MP é inconveniente, mal feita e trará problemas nos próximos anos”, atacou o senador José Serra, durante audiência pública com Campos Neto na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. “Ela deixa para livre nomeação do presidente do BC. E (o presidente) poderá selecionar quaisquer pessoas, supostamente com reputação ilibada e conhecimento. O ideal seria recusar a MP integralmente”, acrescentou.

Campos Neto, no entanto, defendeu que a intenção não é politizar o Coaf. “Pelo contrário, é deixá-lo mais técnico”, afirmou aos senadores. O presidente do BC garantiu ainda que foi dele a ideia de abrir a nova UIF a pessoas de fora do governo. “Talvez a redação da MP não tenha sido a ideal, mas eu queria trazer pessoas de tecnologia”, afirmou. A visão é de que o Coaf precisa atualmente de membros mais ligados à área tecnológica. “O governo inclusive foi contra. A ideia foi minha. Não tem nada a ver a possibilidade de indicações políticas, até mesmo porque eu não tenho capacidade de fazer indicações políticas”, disse. De acordo com Campos Neto, o projeto de autonomia do BC, que também está em tramitação no Congresso, também permitirá o aprimoramento do próprio Coaf.

O órgão está no centro de uma das mais recentes crises do governo de Jair Bolsonaro. Em dezembro do ano passado, o jornal O Estado de S. Paulo revelou que um relatório do Coaf apontava para uma movimentação financeira “atípica” do ex-assessor parlamentar do hoje senador Flávio Bolsonaro (PSL) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Fabrício Queiroz. Segundo o relatório, Queiroz teria movimentado R$ 1,2 milhão em sua conta no período de um ano, entre janeiro de 2016 a 2017.

Com base neste documento, o Ministério Público do Rio abriu investigação para apurar a suspeita de ocorrência de “rachadinha” – prática em que o servidor repassa parte ou a totalidade de seu salário ao político responsável por sua nomeação. Queiroz e Flávio negam irregularidades.

Em junho deste ano, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, atendeu a um pedido da defesa de Flávio e suspendeu todos os processos judiciais que tramitam no País em que houve compartilhamento de dados da Receita Federal, do Coaf e do BC com o Ministério Público sem prévia autorização judicial. A decisão de Toffoli foi criticada pelo então presidente do Coaf, Roberto Leonel. Segundo ele, o sistema de combate ao crime de lavagem de dinheiro no País ficaria comprometido. Após as declarações, o governo decidiu reestruturar o Coaf.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!