Entre a recessão e a paralisia: o PIB do segundo trimestre – Exame

PIB será divulgado nesta quinta e pode apontar que Brasil se livrou por pouco da recessão técnica, o que não chega a ser uma ótima notícia

Por Redação Exame

access_time 29 ago 2019, 07h59 – Publicado em 29 ago 2019, 06h59

São Paulo — O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga na manhã desta quinta-feira (29) o PIB referente ao segundo trimestre do ano. O dado é especialmente aguardado pela possibilidade de confirmar ou não a entrada do Brasil em uma recessão técnica, situação simbólica de fraqueza econômica em que um país é colocado quando tem dois trimestres seguidos de resultado negativo.

Nos primeiros três meses de 2019, o PIB brasileiro teve queda de 0,2% ante o trimestre anterior, na primeira retração desde o fim da recessão de 2015 e 2016. Muitos indicadores reforçam a possibilidade de mais uma trinca de meses no vermelho de abril a junho – caso do IBC-Br, uma prévia do PIB calculada pelo Banco Central que indicou retração de 0,13% no trimestre.

Ainda assim, a maior parte dos bancos e casas de análises acreditam que o país escapou por pouco desse quadro de recessão técnica, com projeções que vão de 0,1% ou 0,2% negativos até alta de 0,5%.

Como o país, entretanto, vem de um tombo forte e ainda não recuperado na renda e o emprego, mesmo a projeção mais positiva é ainda uma má notícia para a economia, dado que apenas reforça o ritmo de uma recuperação muito lenta. A previsão mais recente é de avanço de 0,8% do PIB em 2019.

Para o governo, a possibilidade de alta no trimestre é um respiro, mas o fôlego é pequeno para os desafios macroeconômicos que só se intensificaram a partir de julho. Desde então, a turbulência na guerra comercial Estados Unidos-China aumentou, a incerteza pré-eleição desestruturou ainda mais a vizinha Argentina e um cenário de desaceleração global tomou mais corpo. Não à toa, o dólar vem sendo negociado acima dos 4,10 reais.

Desde o primeiro dia do segundo semestre, o índice Ibovespa caiu 3%. Livrar-se da recessão até junho, neste contexto, é um alívio, e nada mais. Para voltar a crescer consistentemente, o Brasil depende da aprovação da reforma da Previdência no Senado, do encaminhamento de novas reformas, como a Tributária, e de um pouco de sorte com a turbulência externa. Não nos faria mal.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!