Com Cenário Externo Misto, Dados Americanos Voltam a Ser Foco da Sessão – Investing.com

Após começar a sessão de ontem ganhando força e fazendo máxima na R$4.135 o dólar recuou e encerrou o dia abaixo da média simples dos últimos 20 dias, em R$4.086,50. O movimento de queda veio na esteira de dados decepcionantes sobre o mercado de trabalho nos EUA (JOLTs Job Openings), mostrando que a criação de novas vagas de emprego veio 94 mil postos abaixo daquilo que era esperado. No gráfico diário, a moeda americana deixou um candle que indica clara fraqueza para a sessão de hoje, com volume superior ao das últimas oito sessões.

Na Europa, o euro acumula uma expressiva queda na sessão de hoje, após leve recuperação na tarde de ontem graças aos dados mencionados acima, que enfraqueceram seu principal rival, o dólar. O movimento reflete a alta probabilidade de que o Banco Central Europeu anuncie, amanhã, a decisão de realizar novos cortes na taxa básica de juros para do mercado comum da Europa, o que pressiona o preço do Euro para baixo e fortalece o preço do dólar. Por outro lado, a medida também aumenta as chances que o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) também siga pelo mesmo caminho e anuncie cortes na taxa de juros semana que vem.

As principais bolsas do continente operam em alta, embora as cotações futuras das bolsas norte-americanas amanheçam levemente positivas. No segundo caso, trata-se de reflexo da tensão com a China, que decidiu não incluir produtos agrícolas na lista de itens que serão poupados de tarifas – lembrando que fazendeiros/as, uma das bases eleitorais de Donald Trump, são a categoria mais afetada pela guerra comercial sino-americana.

No mercado internacional de câmbio, os principais índices de força do dólar amanhecem em alta, assim como o Volatility Index (VIX), indicador da S&P que mede o grau de aversão ao risco de grandes investidores/as (que, contudo, permanece num nível considerado baixo). Ambos fatores sublinham a probabilidade de ganhos no preço do dólar em detrimento de um possível avanço nos mercados acionários.

Agenda

Mais uma vez, em meio a esse cenário misto, os dados da economia americana devem ditar o tom da sessão de hoje. Logo às 9h30 será divulgado o Producer Price Index (PPI, impacto 3/3), que mede a mudança nos preços de produtos manufaturados oferecidos direto da fábrica – um indicador de inflação altamente relevante. Um valor acima do esperado é considerado positivo para o dólar, ao passo que um abaixo do esperado sinaliza possível deflação e é, portanto, negativo para o dólar. Às 11h, serão divulgados dados oficiais do governo a respeito do estoque de petróleo não-refinado nos EUA (U.S. Crude Oil Inventories, impacto 3/3), um indicador fundamental para avaliar a expansão ou retração do setor industrial do país: uma quantidade acima do esperado indica baixa demanda por combustível e é negativa para o dólar, uma quantidade menor indica o oposto.

Ambos indicadores são disponibilizados gratuitamente e em tempo real pelo Investing.com (www.investing.com).

Cenário técnico

A depender do ponto de abertura do dólar na sessão de hoje no Brasil, dois pontos de suporte chamam a atenção pela alta atividade que concentraram em pregões passados. O primeiro deles é em torno de R$4.065 e o segundo é em torno de R$4.050, ponto no qual o preço fez mínima na sessão de segunda-feira antes de voltar a subir com vigor. Em caso de alta no preço, a região de máxima de ontem (R$4.130-4.135) pode voltar a ser testada hoje. Como o indicador average true range (ATR, 14 períodos) apresenta um valor relativamente alto (51.6 pontos), há espaço para grandes oscilações, então é bom ter cautela e ter atenção com a abertura do mercado americano às 10h30.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!