Anfavea e Economia lançam 5 pontos prioritários do Rota 2030 – Isto É

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) lançou nesta sexta-feira, em São Paulo, em parceria com o Ministério da Economia, os programas prioritários do “Rota 2030”. São cinco focos que começam com produtividade, passando por Indústria 4.0, incentivo à Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), diminuição do impacto ambiental e melhorar a eficiência energética.

Foram assinados vários acordos de intenção entre a Anfavea e o Ministério da Economia, representado no evento pelo secretário de Produtividade e Emprego, Carlos da Costa, com entidades como Finep, Fundep, Ambrapii, BNDES e Senai.

Para atender a estes cinco eixos, de acordo com o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Morais, será criado um fundo com recursos privados que atingirá cerca de R$ 1 bilhão nos próximos cinco anos, sendo que os desembolsos anuais serão da ordem de R$ 200 milhões.

Cada eixo vai receber cerca de R$ 40 milhões por ano para desenvolver projetos em suas respectivas áreas de atuação para compor a proposta mais ampla “Rota 2030”.

Segundo o gerente-executivo do Senai para Inovação e Tecnologia, Marcelo Fabrício Prim, um dos cinco eixos é o aumento de produtividade, que é onde a entidade irá atuar. “Neste eixo, a gente criou uma proposta de aliança do setor automotivo. São grandes companhias trabalhando com empresas de autopeças”, disse ao explicar que as grandes empresas têm um tributo a ser pago por não produzir no Brasil uma determinada peça ou sistema que, pelo “”Rota 2030”, deveria estar sendo fabricado no País.

Esse tributo é pago aos programas prioritários que têm contas correntes abertas e divulgadas. As empresas é que escolhem em que programa ela vai depositar o valor equivalente à multa.

“Pode ser na conta da Finep, do BNDES, do Senai e daí por diante. Mas o Senai não quer só o valor do tributo. Queremos que a empresa traga também seu valor intelectual. Por isso criamos um curso de pós-graduação aplicada para executivos das empresas que contribuíram para o fundo”, disse.

O secretário Carlos da Costa disse se tratar de um dinheiro que vem da iniciativa privada para a iniciativa privada e que, por isso, não se corre o risco de os recursos serem submetidos a contingenciamentos, como o que as contas públicas vêm sofrendo na atual gestão para atender ao ajuste fiscal.

“O maior obstáculo à inovação das empresas no Brasil é o Estado pesado e intruso”, disse o secretário, para quem são as empresas que entendem de inovação e são elas que têm que financiar os programas de P&D.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!